SINDSEP - SP

Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Minicípio de São Paulo

SINDICALIZE-SE

Funcionalismo

18/10/2017 - 23:47

Servidores dão recado a Doria e aos Vereadores

Não mexam com nossa Previdência

Foi no plenarinho externo da Câmara, lotado pelos servidores, que o recado foi dado aos Vereadores e ao Prefeito Doria: Não mexam na nossa previdência!

Mesmo tendo o governo retirado o PL 621/2016 da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e mesmo tendo o Presidente da Câmara, Milton Leite, anunciado que não pretende votar Projeto de Doria sobre a previdência do servidor antes da Reforma da Previdência proposta por Temer, os servidores atenderam à convocação do sindicato e vieram para a Câmara municipal. A sala Prestes Maia onde ocorria a CCJ lotou e os servidores tiveram de ocupar o plenarinho externo. Os servidores não confiam no Prefeito e na sua base aliada e sabem que querem esperar os trabalhadores baixarem a guarda para aprovar mudanças na previdência municipal que acabam com o futuro do funcionalismo municipal. 

Para uma primeira mobilização, o recado foi dado. Agora é ocupar a Câmara a cada tentativa de ataque e se preparar para a mobilização e paralisação do funcionalismo que está sendo construída para o dia 27 de outubro.

 

Não mexam na nossa Previdência!

O governo Doria tem usado da imprensa e vários espaços para espalhar informações confusas sobre o que pretende. Dentre as propostas que já surgiram:

  • Constituição de modelo previdenciário a partir de estudos feitos pela Federação de Bancos (FEBRABAN);
  • Aprovação do Sampaprev para previdência complementar, reduzindo ainda mais as contribuições para o IPREM e podendo ainda ser gerido por instituições financeiras;
  • Convênio com o SP Previ do Governo Estadual (Alckmin) para gerir a previdência complementar dos servidores;
  • Segregação de massas, retirando todos os novos servidores do IPREM que não teria mais contribuições novas;
  • Aumento da alíquota do Iprem de 11 para 14%;
  • Criação de uma alíquota complementar de 5% por cinco anos.

Nada disso é aceitável e o governo disse que não pretende negociar nada, mandando um projeto, até agora secreto, para a Cãmara sem que tenhamos acesso. O governo quer que paguemos pelo desmonte do funcionalismo que cada vez mais torna insustentável o IPREM. A saída está na nossa pauta de reivindicações que o governo não quis nem discutir:

  • fim das terceirizações e privatizações;
  • concurso público;
  • reajuste salarial.

Somente esses elementos vão recuperar o Iprem. 

A resposta ao governo, os servidores já começaram a construir.

Lutar e Resistir!

Não há outro caminho. Foi com mobilização e pressão que já começamos a impor o recuo do governo. Mas sabemos que teremos que intensificar nossa luta. E não a faremos sozinhos. A CUT já tem articulado desde setembro com as demais centrais para construirmos no mês do servidor uma grande mobilização e paralisação do funcionalismo no Estado de São Paulo. Servidores municipais, estaduais e federais. Enquanto o governo Temer orquestra o fim do funcionalismo, Geraldo Alckmin em negociação com o governo federal encaminhou um projeto de lei para a assembleia legislativa que congela salários e aumenta alíquota previdenciária de 11 para 14% como já aconteceu no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul.

Dia 27 estaremos todos juntos.

E para isso, o Sindsep tem construído com as entidades que participam do Fórum de entidades da Capital a unidade para que os servidores municipais estejam mobilizados. Faremos uma atividade na frente da Prefeitura às 13 horas para depois seguirmos para a Paulista e nos juntarmos com o funcionalismo do nosso Estado.

[voltar]