Saúde

11 de Janeiro de 2018 - 17:01

SAMU realiza panfletagem em frente a Prefeitura

Trabalhadores foram as ruas para alertar a população sobre a descaracterização do SAMU e a falta de água nas bases

O Sindsep juntamente com os trabalhadores do SAMU realizou uma panfletagem na frente da Prefeitura na tarde desta quinta-feira, 11 de janeiro.

A atividade teve como objetivo chamar a atenção da população para a situação atual do SAMU, em que o serviço está passando por um desmonte. Falta ambulâncias, pessoal, materiais, fechamento de bases e até falta de água para os trabalhadores.

Os trabalhadores do SAMU, seguiram em caminhada até a frente da Secretaria Municipal de Saúde para participarem da reunião do Conselho Municipal de Saúde e tentar abrir espaço para a realizar uma fala.  Conseguiram ter voz na reunião, onde falaram sobre a desestruturação do serviço, das pioras das condições de trabalho e o reflexo no atendimento. A gota d’ agua foi a falta de água.

O dirigente do Sindsep, Leandro Oliveira também cobrou a falta de interlocução da SMS para resolver os problemas, um deles referente a saída do coordenador da mesa de negociação, Volnei Pedroso, além do fato de não cumprirem o que foi acordado na reunião do dia 21 de dezembro, que era o abastecimento de água nas Bases do SAMU, sendo que das 64 existentes, 50 estão sem água.

O chefe de gabinete da SMS Daniel Simões, disse desconhecer os problemas apresentados, sendo assim não poderia responder naquele momento, mas que iria verificar. Em relação a falta de um coordenador na mesa de negociação, eles responderam que já estavam providenciando, mas que o Volnei Pedroso ainda está respondendo por ela.

O Sindsep então foi até a sala do coordenador da mesa e cobrou uma resposta formal em relação ao abastecimento de água nas bases, em que foi informado que irão providenciar. Alexandre Balthazar da coordenação administrativa do SAMU, enviou a resposta solicitada por email ao Sindsep, informando a situação atual em relação a falta de água nas bases.

Ele informou que a empresa contrata Brasfilter Indústria e Comércio Ltda, detentora do contrato 038/2014- SMS.1/contratos, que tinha como objeto a locação de purificadores, não aceitou a prorrogação do mesmo. Informou ainda que existem hoje 4 processos em aberto que visam sanar este problema:

Secretaria Municipal de Gestão que visa à locação de purificador de água, autuado em 08/05/2017 sob o nº 6013.2017/0000699-9 

Secretaria Municipal da Saúde autuado em 18/05/2017 para a compra de galões de água mineral sob o nº 6018.2017/0005355-2 

Alexandre ainda esclareceu que ambos os processos ainda não foram concluídos. E que o processo para a compra de galões de água demanda à espera da abertura do sistema financeiro para dar continuidade. E que diante da existência de ambos os processos, o SAMU fica impossibilitado de licitar, o que caracterizaria fracionamento de objeto, o que é vedado por lei.

Porém que o SAMU na tentativa de suprir esta necessidade abriu dos processos para compra e locação de purificadores de água na modalidade emergencial sob nº 6018.2018/0000648-3 e 6018.2017/0016221-1, mas que é necessário a abertura do sistema financeiro para poder prosseguir, uma vez que a lei não permite contratação ou aquisição sem prévia reserva financeira e empenho.