Educação

18 de Março de 2020 - 18:03

Coronavírus | Sindsep cobra da Secretaria Municipal de Educação condições aos servidores

Nesta quarta (18), Dia Nacional de Greve em defesa dos serviços públicos, dirigentes exigem garantias a trabalhadores da Educação
 
 
 
Dirigentes do Sindsep e trabalhadores da educação fizeram protesto em frente a Secretaria Municipal de Educação contra o descaso das delegacias regionais de ensino (DRE) em relação aos servidores públicos e usuários dos equipamentos educacionais. 
 
O ato, que ocorreu nesta tarde de quarta (18), Dia de Greve Nacional em Defesa dos Serviços Públicos e contra as privatizações, reuniu alguns dirigentes do Sindsep e analistas (de Esportes e profissional Bibliotecário), representando os Centros de Educação Unificado (CEU) Caminho do Mar, Heliópolis, Paraisópolis, Inácio Monteiro e Sapopemba. “Fomos recebidos após algum tempo de protesto pelo assessor parlamentar da SME, Saraiva e sua equipe”, relata Luba Melo, secretária de Atenção à Mulher Trabalhadora do Sindsep.
 
 
Na reunião, a direção do Sindsep ponderou que diante do momento emergencial, todas as escolas deveriam ser imediatamente fechadas. Os sindicalistas pediram também a liberação imediata nos equipamentos de educação dos servidores que fazem parte do grupo de risco e que seja feita a dispensa de todos trabalhadores neste momento pandêmico, para evitar a exposição desnecessária dos servidores e da população ao risco. 
 
“Nós não entendemos que deva ser chamado esse período de recesso, que atinge especificamente professores e alunos. Nós entendemos que esse afastamento é emergencial e deve atingir a todos, quadro de apoio, do magistério, gestores, coordenadores, os ATEs, agentes de apoio, trabalhadores dos níveis Básico e Médio...É uma pena que exista uma interpretação diferenciada da secretaria”, lamentou Maciel.
 
Outro ponto defendido refere-se à flexibilização dos dias letivos. “Se trata de um período emergencial, que vai ao encontro do que determina o Decreto 59.283/2020, que estabelece a cidade de São Paulo em situação de emergência. É criminoso mantermos servidores sem necessidade em equipamentos sem atendimento público, quando o mundo está atravessando um inimigo invisível”, acrescentou Luba.
 
Maciel também pontuou a questão das férias, em vista das informações que estão chegando à rede de forma desencontrada.
 
Foi destacado ainda a continuidade às mesas de negociação por teleconferência, pra tratar de assuntos que visam melhorar as condições de trabalho e o atendimento à população. "Isso afastaria a exposição ao risco, mas garante que continuemos discutindo questões fundamentais para trabalhadores e usuários", justifica Luba.
 
O analista de Biblioteca do CEU Inácio Monteiro, na Cidade Tiradentes, defendeu para a normativa que o gestor seja sensível à situação emergencial e que o bibliotecário possa realizar um teletrabalho, ao invés de ficar confinado num equipamento fechado. “CEU tem que ser visto como equipamento de Educação”, acrescentou.
 
Cléber, do CEU Heliópolis, na região Sudeste, pediu bom senso da gestão Bruno Covas/Doria para as reivindicações feitas pelos agentes do Esporte.
 
O representante da Secretaria de Educação se comprometeu a levar as reivindicações feitas para a construção da normativa de SME que deve ser publicada nesta quinta-feira (19). Também se comprometeu a reavaliar para que os apontamentos feitos pela comissão sejam garantidos na normativa.
 
“Continuaremos nossa luta em defesa dos servidores, dos serviços públicos, como Educação pública, de qualidade e gratuita, e um SUS público, universal e de qualidade. Defendemos mais recursos para as políticas públicas, concursos e nomeação imediata dos aprovados. Exigimos também a imediata revogação da Emenda Constitucional 95, do Teto de Gastos. O SUS precisa de mais recursos para cuidar da população e de quem cuida”, afirmou Luba.
 
Maciel também reforçou que sejam enviadas denúncias, reclamações sobre irregularidades que estejam ocorrendo nas unidades, por meio do telefone oficial do Sindsep: 11 97025-5497.
 
Cartazes alertam gestores: "Respeite os trabalhadores, principalmente os que integram grupo de risco.
Pensar no próximo é pensar em si também".