Educação

01 de Maio de 2021 - 16:05

Greve na Educação pela Vida | Confederação Nacional dos Metalúrgicos apoia trabalhadores/as da Educação em greve

A CNM/CUT ressalta a legitimidade da luta da categoria e urgência na abertura de mesa de negociação, por parte do prefeito Bruno Covas.

A Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT) encaminhou moção de apoio ao trabalhadores/as da Educação, que seguem em greve desde o dia 10 de fevereiro por discordarem da retomada de aulas presenciais no período mais letal desde o início da pandemia em 2020. A Greve é pela Vida porque o momento é grave.

 

"Apoiamos a luta por ser justa as reivindicações que levam em consideração o descontrole da pandemia provocado pelos governos Bolsonaro, Dória e Covas com o aumento da curva de contaminação e mortes devido à ausência de medidas efetivas para a garantia de segurança sanitária, como testagem RT-PCR, com isolamento e rastreamento, vacina pra todos no SUS, adequações das escolas e recomposição de funcionários, em especial os trabalhadores da limpeza, área fundamental para um ambiente adequado às atividades presenciais", justifica um dos trechos da moção. 

 

A entidade, por meio de seu presidente Paulo A. Cayres, ressalta a legitimidade da luta da categoria e urgência na abertura de mesa de negociação, por parte do prefeito Bruno Covas.

 

Confira abaixo a íntegra da nota enviada pela CNM/CUT:

 


Moção de Apoio aos Profissionais da Educação do Município de São Paulo na Greve pela Vida

 

A Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT - CNM/CUT se dirige aos profissionais da educação da cidade de São Paulo para declarar apoio e solidarizar-se com a greve iniciada em 10/02/2021, uma greve em defesa da vida e por condições de segurança sanitária para o retorno presencial.

 

Apoiamos a luta por ser justa as reivindicações que levam em consideração o descontrole da pandemia provocado pelos governos Bolsonaro, Dória e Covas com o aumento da curva de contaminação e mortes devido à ausência de medidas efetivas para a garantia de segurança sanitária, como testagem RT-PCR, com isolamento e rastreamento, vacina pra todos no SUS, adequações das escolas e recomposição de funcionários, em especial os trabalhadores da limpeza, área fundamental para um ambiente adequado às atividades presenciais.

 

Tal situação configura um risco ao retorno às aulas presenciais para toda comunidade escolar, agravado com o quadro atual com média móvel acima de 3 (três) mil mortes diárias e com os hospitais no limite de atendimento.

 

Repudiamos a ação do Governo Municipal contra os trabalhadores e as trabalhadoras que estão lutando para defender a vida de toda comunidade escolar, ao atacar o Direito de Greve cortando os salários destes profissionais no momento mais agudo da crise econômica e social. É desumano retirar salários e a subsistência destas famílias.

 

A Luta desta categoria é legitima e o Prefeito Bruno Covas deve abrir uma mesa de negociação urgente para buscar a melhor saída, que passa pelo atendimento das reivindicações, preservando vidas. Dentre elas, o atendimento eficiente às necessidades básicas das familias. Basta de mortes! Todo trabalhador e trabalhadora tem o direito de defender a vida e lutar por melhores condições de trabalho!

 

Paulo Aparecido Silva Cayres

Presidente da CNM/CUT

 

Clique sobre a nota para acessar a íntegra