Educação

15 de Fevereiro de 2021 - 17:02

Imprensa expõe a falta de condições para a retomada das aulas e com isso reforça a importância da greve da educação municipal

A questão de as escolas não estarem preparadas para o retorno das aulas presenciais nesta semana fica cada mais claro. Os veículos de comunicação falam sobre as condições das escolas no Brasil e na cidade de São Paulo, reforçando indiretamente a luta e a greve dos profissionais da educação municipal. 
 
 
Um exemplo da falta de condições para a retomada das aulas é a falta de água, conforme matéria do G1 do último domingo (14), que apresenta dados do Ministério da Educação (MEC), ainda falta levar encanamento para mais de 3 mil instituições de ensino no país. Quase 10 mil não tem acesso à água potável. Quatro a cada dez escolas do Brasil não tem estrutura para lavagem de mãos dos alunos.
 
 
Outra questão é a falta de estrutura também apresentada pelo portal G1 nesta segunda-feira (15), que preocupa muitos pais nesta retomada das aulas. Como a falta de trabalhadores da limpeza, após empresa terceirizada deixar de prestar o serviço. Falta de ventilação nas salas de aula também é um problema que preocupa a retomada.
 
 
Por essas questões apresentadas, o Sindsep reafirma a necessidade de reforçar a greve dos trabalhadores da educação municipal. A greve é em defesa pela vida dos estudantes, famílias e dos profissionais da educação. A Prefeitura não garante as condições sanitárias para o retorno e coloca profissionais e comunidade escolar em perigo.
 
 
Leia cobertura da imprensa
 
G1 (14.02)  Escolas sem água para lavar as mãos ou onde falta ventilação: professores temem falta de estrutura no retorno
 
 
 
G1 (15.02)  'Vejo o desespero das famílias', diz mãe sobre falta de estrutura para retorno das aulas nas escolas municipais de SP
 
 
G1 (15.02) Escolas municipais de SP retomam ensino presencial nesta segunda; professores e pais reclamam de falta de estrutura contra a Covid