Educação

11 de Maio de 2022 - 09:05

Sindsep e Movimento CEUS Públicos realizam reunião para retomar a luta em defesa dos CEUs e contra a terceirização

Sindsep juntamente com o Movimento CEUs Públicos realizou na última sexta-feira (06), uma reunião ampliada sobre os CEUs para retomar a luta e fazer a resistência contra a terceirização.

 

A mesa de abertura foi comandada Maria Lucia Rocha, mais conhecida como Lucinha, Luba Melo, vice-presidenta do Sindsep, Maciel Nascimento, secretário dos Trabalhadores da Educação, Cida Peres e Maria Cecília Carlini (Ciça).

Luba Melo parabenizou todas e todos que estavam presentes na atividade que estão ajudando a construir o movimento em defesa dos CEUs. “Sindsep esteve sempre ao lado deste movimento, sendo uma das poucas entidades de fato abraçando essa luta em defesa dos CEUs públicos. Porque a gente acredita nas políticas públicas e infelizmente na cidade de São Paulo a gente vivencia dia após dia o avanço das terceirizações em todos os setores. Saúde, assistência social, segurança pública e na educação não é diferente”.

 

O secretário dos Trabalhadores da Educação do Sindsep, também realizou uma fala agradeceu todos pela presença na reunião. E falou sobre a importância de todo darem o ponta pé inicial na construção de uma política integrada no CEU que reúne educação, cultura, esporte e lazer. Isso é fundamental para nossa periferia, justamente lá que foram escolhidos os locais para estes equipamentos, justamente pela necessidade. “Nós podemos dar nas periferias possibilidades cultura e laser que são tão ausentes na nossa cidade hoje e podemos dizer que estamos defendendo aqui uma discussão que tem uma interseção muito forte que é a defesa dos trabalhadores, da população usuária e das políticas dos CEUS”.

O encontro também contou com a fala da Ciça que trabalhou na sala CEU na gestão petista, como também da Cida Perez, companheira de luta desde quando começaram a denunciar no Parque do Carmo que a obra do CEU estava parada.

 

Ciça fala precisa ir aos CEUs para denunciar o que eles estão fazendo, como a descaracterização do projeto dos Centros, ao alterar as cores da pintura nos novos CEUs. Ainda falou do governo atual que não conhece os territórios, as informações não são fornecidas para a população e até os vereadores tem dificuldades de acesso.

 

A convidada ainda lembra que os CEUs não são iguais, cada região tem sua particularidade e que são ignoradas ao colocar uma organização social para gerir estes equipamentos. Da destruição da cultura, importante para a construção do sentimento de nação e internalizar valores.

 

Nós queremos uma participação de qualidade, nós queremos melhorar a educação dessa cidade e melhorar o acesso de todos aos bens culturais, esportivos e educacionais. É para isso que nós brigamos. A luta do CEU ela é para dizer gente estão acabando com a democracia, quando acabam com a participação”, finalizou Ciça.

 

Os convidados da mesa realizaram novamente uma fala e depois foi aberto para intervenção dos presentes e tirado os encaminhamentos os seguintes encaminhamentos:

 

  •  Denunciar o dia 11 de maio, em que haverá o “leilão” de outros 5 CEUs para parcerias público-privada (construir, gerenciar e usufruir por 25 anos);

 

  • Realizar concurso para os cargos dos CEUs;

 

  • Solicitar uma audiência pública para falar das situações vividas nos CEUs;

 

  •  Construir uma denúncia no Tribunal de Contas do Município;

 

  •  Realizar atividades nos territórios para facilitar a participação dos agentes apoiadores na região;

 

  • Produzir uma campanha de comunicação para demonstrar a história dos CEUs e os danos para a sociedade do processo de terceirização/privatização da gestão deles.