Educação

21 de Março de 2021 - 17:03

Trabalhadoras/es da educação municipal em greve fazem vigília na porta da Prefeitura exigindo atendimento das reivindicações

Os profissionais da educação em greve decidiram realizar uma vigília em frente a Prefeitura da cidade de São Paulo, nesta segunda-feira (22), às 10 horas, para exigir do prefeito Bruno Covas (PSDB), proteção das vidas das comunidades escolares e dos/as trabalhadores/as da educação.

 

Segundo os trabalhadores o recesso não resolve a situação, quando mantem expondo ao vírus gestores, trabalhadores do quadro de apoio, profissionais terceirizados e as mães que estão trabalhando na limpeza das escolas. Todas as vidas importam!

 

O movimento de greve exige ainda do prefeito Covas, que a pandemia seja controlada na cidade de São Paulo, para só assim reabrir as escolas para atividades presenciais. Pois querem um retorno seguro das aulas e até que isso não aconteça, pedem a suspensão de todas as atividades presenciais nas unidades escolares.

 

Para um retorno seguro, precisa haver uma queda expressiva dos índices de contaminação, ocupação de leitos de UTIs e óbitos, conforme orientação do retorno às aulas presenciais da Fundação Oswaldo Cruz.

 

Além destas exigências dos profissionais em greve, dentro da pauta de reivindicações estão:

 

?? Realização de testes da Covid-19 para trabalhadoras/es e estudantes antes de retorno (testagem periódica);

 

?? Publicação de um calendário de vacinação para profissionais da educação e toda a comunidade escolar;

 

?? Equipamentos de proteção de qualidade e em quantidade para estudantes, famílias e trabalhadores da educação;

 

?? Distribuição do tablets, conexão à internet e cartão Vale Merenda para as famílias dos estudantes;

 

?? Recomposição dos quadros de servidores nas escolas;

 

??  Reformas estruturais nas escolas para garantir ventilação.

 

A greve da educação é pela vida. Vida dos alunos, famílias e profissionais da educação! Por isso, os comandos regionais de greve e o Sindsep convidam todos e todas para se somarem a vigília e ajudar a pressionar o prefeito Bruno Covas para que atenda as reinvindicações e faça seu trabalho como prefeito, controlando a pandemia na cidade.

 

A vigília irá seguir todos os protocolos de segurança da OMS, com distanciamento social e todas as medidas de segurança sanitária.