Funcionalismo

15 de Junho de 2020 - 13:06

17 de Junho| Ato na Prefeitura de SP por proteção e segurança dos(as) trabalhadores(as)

Manifestação simbólica será transmitida ao vivo, a partir das 10h, pela página do Facebook do Sindsep.

O Sindsep, com a participação de várias entidades sindicais, realizará na próxima quarta-feira (17) mais uma manifestação simbólica. Desta vez o ato será em frente ao gabinete do prefeito de São Paulo Bruno Covas.
 
De acordo com a direção, o ato será simbólico porque o Sindsep é contra a FLEXIBILIZAÇÃO do ISOLAMENTO SOCIAL neste momento de ascendência da curva de contaminação em que os especialistas alertam que o número de infectados e mortes é superior aos apresentados oficialmente, dada a falta de testagem.
 
Esta medida genocida mostra que tanto o prefeito, quanto o governador de São Paulo não se importam com a saúde e com a vida da população paulistana. Ao invés de criar condições para a população aderir ao isolamento social, conforme recomendam a Organização Mundial de Saúde (OMS) e autoridades sanitárias, os governos de São Paulo reforçam a política higienista e genocida de Bolsonaro para responder à pressão dos empresários, que também ignoram a crise sanitária, colocando em risco a vida da população, principalmente dos moradores das periferias.
 
A população, pressionada pelo desemprego e pela falta de recursos para se manter em isolamento, é obrigada a fazer a escolha de Sofia, entre morrer de fome ou morrer pela Covid-19.
 
Esta manifestação possui pautas bem concretas para os trabalhadores, mas também referem-se a melhor qualidade na assistência de toda a população. 
 
São reivindicações que vêm sendo apresentadas desde o início da pandemia, porém ignoradas pelo governo, que na grande mídia segue afirmando que tudo está em conformidade enquanto os trabalhadores estão submetidos a péssimas condições de trabalho. Com equipamentos de proteção individual (EPI) inadequados, sem testagem para diagnóstico do coronavírus, sem protocolos, trabalhando em jornadas exaustivas e sob pressão, se contaminando e muitos indo a óbito. 
 
Temos consciência que a FLEXIBILIZAÇÃO do ISOLAMENTO SOCIAL terá um impacto perverso na saúde da população, consequentemente na saúde e na vida dos(as) trabalhadores(as).
 
Por isso exigimos:
 
Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para todos trabalhadores e trabalhadoras;
 
Testes confiáveis para a Covid-19;
 
Reconhecimento da Covid-19 como doença ocupacional;
 
Afastamento médico imediato para os/as trabalhadores/as com suspeita ou confirmação de Covid-19;
 
Garantia de descanso aos(às) trabalhadores(as) das áreas essenciais;
 
Não ao corte de salários dos servidores públicos;
 
Fim da política de terceirização e organizações sociais (OS);
 
Não às demissões;
 
Fora Bolsonaro e os inimigos dos(as) trabalhadores(as) que querem flexibilizar o isolamento social.
 
 
Quanto às terceirizações de serviços e as tentativas de corte de salário de servidores, é importante ressaltar que o governo tem aproveitado o foco na pandemia para, numa atitude oportunista, colocar em marcha projetos engavetados por pressão dos movimentos sindical e social. Com todos focados no coronavirus, o governo vem implementando os projetos que fragilizam o serviço público e, como consequência, os servidores públicos. Ao estilo do governo Bolsonaro: "vai passando a boiada".
 
Durante a pandemia não podemos dar trégua para o governo, temos que continuar exigindo condições adequadas de trabalho para todos que estão nas unidades, independente do vínculo trabalhista. Estamos trabalhando em jornadas exaustivas, sem estrutura, protocolo e apoio psicológico. É necessário rever a carga horária em tempo de pandemia.
 
Não somos descartáveis! Exigimos respeito e o cumprimento de nossas reivindicações!
 
VIDAS ACIMA DO LUCRO


?´ O ato será transmitido #AoVivo nesta quarta-feira (17), a partir das 10h, pela página do Facebook.com/Sindsep-sp.