Funcionalismo

06 de Agosto de 2020 - 11:08

Inumeráveis

O crescimento de 13.437 enterros e cremações, entre o primeiro semestre de 2018 ao de 2020, significam para o Sindsep vidas perdidas pela negligência dos governos Bolsonaro, Doria e Covas.

O Sindsep teve acesso, por meio do mandato do vereador Alessandro Guedes (PT), aos números oficiais de sepultamentos e cremações em cemitérios públicos e particulares da cidade de São Paulo. E, como lembra a composição de Chico César são “Inumeráveis”. Cada número é uma vida perdida por irresponsabilidade dos governos, tanto de Bolsonaro, que trata a crise sanitária mundial como “só uma gripezinha”, como de Dória e Covas, que afirmam que há isolamento no estado e capital, mas só de “brincadeirinha”, pois o povo todos os dias se acotovelam nos trens, metrôs e ônibus. 
 
Desde o início da pandemia do Coronavírus, o Sindsep vem defendendo que o Serviço Funerário Municipal deveria publicar diariamente o número de enterros e cremações, mas a gestão nos nega esse direito à transparência de informações. Os dados obtidos, por meio do Portal da Transparência, levaram meses para serem liberados e são assustadores na comparação do primeiro semestre dos anos de 2018 a 2020.
 
 
 
 
Para se ter uma ideia, no primeiro semestre de 2018 foram contabilizados 32.522 sepultamentos e cremações em todos os cemitérios da Capital, já no mesmo período do ano seguinte esse número tem um pequeno aumento e vai para 33.046, mas nesse ano de 2020 salta para 46.483. É um crescimento de 13.437 sepultamentos e cremações em dois anos, o que corresponde a 40,7% a mais. 
 
E o governo afirma que isso é normal!
 
Nós dizemos Não, não é Normal! desde o dia 3 de abril, quando o Washington Post estampou em sua capa a foto de centenas de covas abertas em cemitério de São Paulo.
 
 
Passados três meses, eles inventam o tal “novo normal”, não, não é normal beirar as 100 mil mortes de brasileiros e na capital mais de 13 mil, no comparativo do 1º semestre de 2019 e 2020. 
 
 
O número de sepultamentos nos cemitérios particulares também assusta, conforme tabela abaixo:
 
 
 
 
No primeiro semestre de 2018 foram registrados 6.569 sepultamentos e cremações, no mesmo período de 2019, um recuo, 6.387, mas nos primeiros seis meses de 2020, esse número mais que dobrou, foram 15.683 sepultamentos e cremações. O que indica um aumento de 145% em relação ao primeiro semestre de 2019, mas também um claro favorecimento da direção do Serviço Funerário ao setor privado.
 
Diante disso, o Sindsep reafirma que segue firme na luta em defesa da vida e até que sejam garantidas todas as condições dignas de trabalho, de equipamentos de proteção individual de qualidade e em quantidade e testes para todos os trabalhadores efetivos e terceirizados.