Funcionalismo

29 de Dezembro de 2020 - 15:12

Novos vereadores: Que câmara é essa?

Ao findar o ano, já deu para perceber o que será a nova composição de vereadores na cidade de São Paulo.

A votação que elevou o salário do prefeito para R$ 35 mil, em período de doença pandêmica, milhares de mortes, recessão e desemprego aumentando, salários congelados apesar da inflação e dos aumento de preços sem freio, não precisa de profecia para saber como será a vida na cidade de São Paulo a partir de 2021.
 
Dos 55 vereadores apenas 14 não se reelegeram ou não concorreram, mas muitos desses deram de presente o aumento salarial para o prefeito e devem ser agraciados com cargos no novo governo, assim a “nova” Câmara não está tão diferente.
 
A partir de 1º de janeiro, a Câmara Municipal se apresenta com 34 vereadores reeleitos e 21 que começam um novo mandato. O aumento do salário de prefeito, seu vice (atual vereador Ricardo Nunes) e secretários, que recebeu 34 votos favoráveis, 17 contra e uma abstenção, é um indicativo de como se moverá esse Legislativo que, provavelmente será presidido por figuras abjetas como Milton Leite (DEM), que fazem o que o prefeito manda em troca de loteamento da cidade, contratos com empresas, cargos e benesses. 
 
A luta nas ruas, a mobilização de trabalhadoras e trabalhadores será imprescindível e terá de ser intensa para defender projetos em favor de serviços e servidores públicos. A representação em favor dos serviços públicos e servidores na Câmara só será vitoriosa com nossa pressão nas ruas, na Casa do Povo e na Prefeitura. Houve pequeno aumento da bancada de oposição que permitirá aumentar a pressão sob o governo, mas com seus métodos, Bruno Covas e Milton Leite (futuro presidente da Câmara) não terá muitas dificuldades para atacar o povo de São Paulo.
 
O que se desenha é um cenário sem muitos entraves para intensificar pontos ainda não alterados no Sampaprev, como novo aumento de alíquota – um desejo do prefeito Bruno Covas –, e continuar a política de arrocho salarial dos servidores. 
 
Para aumentar seu salário, do seu vice e dos secretários não foi preciso nenhum estudo, apenas dizer que estavam congelados desde 2012, mas dos servidores é diferente, amargamos 0,01% ano após ano. Tivemos um reajuste em 2013 para nível básico e médico, reestruturações de carreiras do nível universitário e da saúde, mas que não resolveram nossas perdas salariais. A marca desses anos foi o 0,01%.
 
O funcionalismo municipal de São Paulo trabalha duro no atendimento à população de nossa cidade. Ensinando, criando formas alternativas à falta de condições de trabalho para atender à população, na linha de frente da pandemia, salvam vidas, recuperam a saúde e cuidam da população, se contaminando, adoecendo, levando doença a seus familiares e morrendo.
 
Continuaremos fazendo isso, mas teremos que manter nossas lutas de resistência de pé, pois com esse prefeito e essa “nova” Câmara não podemos esperar muita coisa. 
 
Olhem bem quem é a “nova” Câmara, porque precisamos desde já nos conscientizar de vez que somente a luta dos trabalhadores do serviço público municipal poderá forçar o governo a valorizar o nosso trabalho e as políticas públicas. É preciso organizar em cada local de trabalho uma frente de luta, para preparar uma grande campanha salarial.
 

Esta é a Câmara de Vereadores a partir de 1º de janeiro de 2021:

 

DEM
Adilson Amadeu
Eli Corrêa
Milton Leite
Missionário José Olímpio
Ricardo Teixeira
Sandra Tadeu
 
 
MDB
Delegado Palumbo
George Hato
Marcelo Messias
 
 
Novo
Cris Monteiro
Janaina Lima
 
 
PL
Thammy Miranda
Isac Félix
 
 
Patriota
Fernando Holiday
Marlon do Uber
Rubinho Nunes
 
 
Podemos
Danilo do Posto de Saúde
Ely Teruel
Milton Ferreira
 
 
PP
Faria de Sá
 
 
PSB
Camilo Cristofaro
Eliseu Gabriel
 
 
PSC
Gilberto Nascimento Jr.
 
 
PSD
Edir Sales
Felipe Becari
Rodrigo Goulart
 
 
PSDB
Aurélio Nomura
Carlos Bezerra Jr.
Eduardo Tuma
Fabio Riva
João Jorge
Rute Costa
Sandra Santaba
Tripoli
 
 
PSL
Rinaldi Digilio
 
 
PSOL
Celso Giannazi
Elaine do Quilombo Periférico
Erika Hilton
Luana Alves
Silvia da Bancada Feminista
Toninho Vespoli
 
 
PT
Alessandro Guedes
Alfredinho
Arselino Tatto
Donato
Eduardo Suplicy
Jair Tatto
Juliana Cardoso
Senival Moura
 
 
PTB
Paulo Frange
 
 
PV
Roberto Tripoli
 
 
Republicanos
André Santos
Atilio Francisco
Sansão Pereira
Sonaira Fernandes

 

Foto: André Bueno/ CMSP