Funcionalismo

23 de Junho de 2022 - 12:06

Prefeitura lança novo edital de concessão/privatização do Serviço Funerário

Por Cecília Figueiredo, do Sindsep

 

 

A Prefeitura de São Paulo trouxe, na edição do Diário Oficial da Cidade (DOC) de quarta (22), um novo edital de concessão dos 22 cemitérios e o crematório público municipais.

 
No despacho, assinado pela secretária executiva de Desestatização e Parcerias, estão previstas a gestão, manutenção, exploração, revitalização e a criação de três crematórios.
 
A abertura dos envelopes das empresas interessadas está marcada para 26 de julho, 11h, uma horas depois do horário previsto para o recebimento das propostas. A sessão pública acontecerá no Viaduto do Chá, 15, 6º andar, sala de Coletiva da SECOM, Centro Histórico, São Paulo - SP.
 
O Sindsep vem travando uma batalha sem pausa desde 2017, quando Doria ainda candidato propalava a privatização do Serviço Funerário como uma das promessas de campanha a prefeito. Uma série de gestões para barrar o processo de concessão dos 22 cemitérios e crematório públicos da cidade de São Paulo, além das lutas pela melhoria das condições de trabalho de servidoras/es e fortalecimento do serviço público, por meio de concursos, foram empenhadas nesses cinco anos
 
Mesmo com a pandemia, adoecimento e mortes de muitos colegas, esse projeto não foi abandonado e a resistência a ele muito menos.
 
Em 1º de junho, os diretores do Sindsep, Sheila Costa, João Batista e Noemi Gomes, além dos RSUs, Claudio, Marilza e Zeca, estiveram em reunião com o superintendente do Serviço Funerário Municipal, Fernando Alencar Medeiros, e assessoria para apresentar a pauta de reivindicações do setor, incluindo a questão da privatização/concessão. 
 
Na ocasião, o Sindsep reiterou sua posição contrária ao projeto de concessão/privatização do Serviço Funerário, por se tratar de uma autarquia que até superávit já demonstrou em passado recente. "Necessário que para isso sejam combatidos os 'papa-defuntos' nas portas das agências funerárias, por exemplo", acrescentou o dirigente.
 
Dias depois, a questão da concessão do serviço essencial à população de São Paulo também foi levada à debate em audiência pública na Câmara Municipal, por solicitação do Sindsep ao vereador Jair Tatto.

Sabemos que se trata de uma luta de "David contra Golias", mas juntos somos mais fortes e devemos seguir na luta para barrar esse processo de privatização/concessão. por se trata da defesa de um serviço essencial, o Serviço Funerário Municipal, que deve ter investimento e funcionamento 100% público, prestando serviço de qualidade a toda a população.