Funcionalismo

03 de Fevereiro de 2020 - 12:02

Questionada na Justiça, gestão Covas dá 'esclarecimentos' sobre Serviço Funerário 50 dias depois

Conforme o Sindsep vem denunciando, o governo do prefeito Bruno Covas/Doria (PSDB) segue “acelerando” o processo de privatização/concessão do Serviço Funerário do Município de São Paulo.

 

No último dia 31 de janeiro, mais de um mês depois de ser questionada na Justiça pela falta de informações, a gestão Covas publicou no portal da prefeitura as respostas -- faltantes -- que fizeram com que o processo de licitação fosse paralisado em dezembro.

 

As respostas aos questionamentos – enviados pelos interessados até 9/12/2019 – que constam da minuta só foram disponibilizadas no final da tarde da última sexta-feira (31), por força da ação judicial impetrada pela Associação Cemitérios e Crematórios do Brasil (Acembra), reclamando a falta de esclarecimentos no processo de chamada pública.

 

Desde o ano passado, o governo Covas tenta concluir a privatização do serviço essencial. O desejo do tucano foi autorizado pela Lei 17.180/2019, aprovada à toque de caixa pela ala privatizadora da Câmara, em agosto do ano passado, e sancionada nem um mês depois.

 

No que depender do Sindsep, esse processo não se efetivará! Em audiência com o presidente do Tribunal de Contas do Município (TCM) João Antônio, em novembro, o Sindsep protocolou ofício denunciando a concessão/privatização e pedindo providências acerca da nomeação dos aprovados no concurso de AGPP. O presidente do TCM se dispôs a acompanhar o processo de concessão.