Funcionalismo

28 de Março de 2020 - 15:03

SERVIÇO FUNERÁRIO: queremos medidas urgentes!

O Sindsep solicitou ao superintendente do Serviço Funerário do Município de São Paulo uma audiência de urgência para discutir medidas de proteção aos trabalhadores e prestadores de serviços junto ao SFMSP, no entanto até o momento fomos ignorados.

 

O Sindicato tem cumprido seu papel e ido nos cemitérios conversar com trabalhadores sobre a necessidade de usar os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como máscaras, luvas e álcool gel (que chega nas unidades a “conta gota”).

 

Seja nos cemitérios, nos velórios, no crematório, nas agências, nas unidades administrativas ou no tráfego. TODOS PRECISAM DE PROTEÇÃO!

 

Os trabalhadores terceirizados não tem máscara, nem luvas, um total descaso com estes. Entendemos que a administração deve também cobrar das empresas terceirizadas esses equipamentos.

 

Nos enterros “comuns” deve-se usar os EPIs e em casos suspeitos e já confirmados de Covid-19, é necessário a utilização do macacão e óculos. Neste caso está sendo usado o macacão de exumação, que deve ser descartado a cada uso.

 

Nos cemitérios que há sepultamentos de pessoas desconhecidas e peças anatômicas (que são trazidos do IML, SVO, HC) devem usar o mesmo procedimento que nos casos suspeitos ou confirmados de Covid 19.

 

Nossa constatação é que não há uma orientação de proteção aos trabalhadores. O Sindsep acaba fazendo esse papel na orientação de questões básicas como: deixar o uniforme no cemitério e não levar para casa; chegando em casa deixar a roupa que estava usando do lado de fora, não usar em casa. Parece tolice, mas nem isso foi orientado aos trabalhadores.

 

O SINDSEP ORIENTA CLARAMENTE QUE TODOS DEVEM USAR OS EPIs, CASO NÃO TENHAM DISPONÍVEIS DEVEM SE RECUSAR A REALIZAR OS TRABALHOS E CHAMAR IMEDIATAMENTE O SINDICATO.

 

Continuamos exigindo uma audiência com o SFMSP para discutir as medidas, pois a administração vem tomando medidas que deixam a desejar. Vejamos:

 

- Os velórios quando ocorrem estão limitados a 1 hora e com limite de 10 pessoas por sala, no nosso entendimento seria necessário a suspensão imediata de velórios, pois mesmo com a limitação, quando ocorre mais de um velório nas salas acaba gerando aglomeração;

 

- Acréscimo nos contratos na ordem de 25% das empresas terceirizadas de limpeza, que prestam serviços nas unidades do SFMSP, exigimos a garantia de EPIs para seus trabalhadores;

 

- Aumento da frota dos carros terceirizados em 20 veículos, mesmo a Prefeitura afirmando que não há aumento de mortes. Será? Até o momento o SFMSP não soltou nenhuma nota se houve ou não aumento de números de mortes na cidade.

 

- A empresa Carrara está fazendo propaganda de contratação de “coveiros” para a cidade de São Paulo, nossa reivindicação antiga é de que haja concurso público, mas diante da crise sanitária, deveria ter contratação de emergência direta pelo SFMSP e não por meio de empresa terceirizada;

 

- Por que não chamar imediatamente os aprovados em concurso da área administrativa? São 200 aprovados e que estão prontos para assumir as tarefas;

 

- É necessária uma medida urgente para os colegas que tem mais de 60 anos, que fazem parte do grupo de risco, as medidas ficam nas mãos das chefias imediatas. É necessária uma orientação clara sobre isso.

 

O SINDSEP continuará indo nas unidades dando orientação aos trabalhadores e denunciando a falta de EPIs. Neste momento o que mais importa é PROTEGER A VIDA DOS TRABALHADORES PARA QUE ESTES POSSAM CONTINUAR A EXERCER SEUS TRABALHOS. SE O GOVERNO NÃO FAZ, NÓS FAZEMOS!