Funcionalismo

15 de Outubro de 2021 - 14:10

Servidores e dirigentes sindicais denunciam vereador Danilo do Posto em sua base, por voto favorável ao Sampaprev 2

O vereador, AGPP na UBS Doutor Paulo Gnecco, na Vila Maria, zona Norte, votou a favor da proposta que penaliza os servidores públicos.

O Sindsep iniciou nesta manhã de sexta-feira (15), horas depois da Câmara Municipal aprovar por 37 votos a 16, em primeiro turno, o Projeto de Lei Orgânica 07/2021, do chamado Sampaprev 2, que eleva para 14% a alíquota de desconto para salários e aposentadorias de quem ganha acima de R$ 1100, a visitação a serviços públicos para denunciar à população e pedir apoio na pressão ao vereador Danilo do Posto, para que rejeite a proposta no segundo turno de votação.
 
O vereador Danilo do Posto, AGPP (licenciado) na UBS Doutor Paulo Gnecco, na Vila Maria, zona Norte, onde ocorreu o primeiro ato desta manhã, havia apresentado pedido de licença da Câmara, na sessão de 13 de outubro (durante protesto que reuniu 30 mil servidores em frente ao Legislativo), a partir de 15 de outubro, mas na sessão de ontem (14), votou junto com a base governista em favor da proposta que penaliza os colegas servidores públicos.
 
 
Painel de votação do PLO 07/21, na sessão do último dia 14 de outubro. | Print de tela
 
 
Ao explicar para a população a perversidade do projeto, Sergio Antiqueira, presidente do Sindsep, ressaltou que se a proposta do prefeito Ricardo Nunes, em tramitação na Câmara Municipal, for aprovada, aumentará o nível de endividamento dos servidores.
 
“Um servidor que ganha acima de R$ 1100 pagará uma alíquota maior e isso vai para um fundo capitalizado em instituições financeiras. Ou seja, é confiscado o dinheiro desse servidor, desse aposentado, que vai para o fundo de capitalização, com menos dinheiro ao receber, esse servidor precisará adquirir novo empréstimo na mesma instituição financeira que está com o dinheiro dele. O que significa que o trabalhador financia o empréstimo com seu próprio dinheiro”. Antiqueira classificou como “crime” essa lógica.
 
Segundo o dirigente, a responsabilidade pelo déficit da Previdência é da própria Prefeitura de São Paulo, que não faz novos concursos, portanto não tem aumento de contribuição. Ao não ter mais servidores, penaliza os que trabalharam por décadas para se aposentar a pagar sua própria aposentadoria.
 
 
Primeiro ato foi em frente à UBS Dr. Paulo Gnecco, onde o vereador era AGPP antes de assumir o mandato
 
Indignados, servidores e direção do Sindsep estiveram hoje em frente a UBS onde trabalhou o vereador Danilo do Posto para que ele se redima desse voto no segundo turno de apreciação do PLO. “É possível mudar isso e por isso viemos aqui, na base do AGPP que foi eleito pela categoria, para que o vereador deixe sua licença e vote com os servidores”, acrescentou o dirigente, ao lembrar que quem vota contra os servidores e a população não volta, ao citar os que não foram reeleitos na eleição de 2020.

Quem vota com o povo perde, na gestão Ricardo Nunes
 
Ninguém sabe o que foi prometido/conquistado pelo parlamentar, porém não há coincidência na exoneração do subprefeito do Jabaquara, indicado por Arnaldo Faria de Sá, que votou contra o PLO 07/21. O ato foi publicado em DOC na edição desta sexta (15) pelo prefeito Ricardo Nunes. 
 
“Esse vereador [Danilo do Posto] conhece todas as dificuldades enfrentadas por um AGPP, mas ao entrar na Câmara parece ter esquecido, toma uma posição contrária aos servidores. Precisamos perguntar a ele o que ele ganhou por esse voto. Ele trabalhou numa unidade que leva o nome de um médico muito reconhecido nesta região, e foi aqui que ele se elegeu, por isso viemos aqui. Queremos entender o que leva o vereador Danilo do Posto a fazer isso contra trabalhadores que estão massacrados pelos salários achatados, exaustos pelo trabalho e enfrentamento à pandemia, e contra a população, que passa a ter um serviço de menos qualidade com a destruição do Serviço Público”, questionou José Teixeira dos Santos, coordenador da Região Norte do Sindsep.
 
Na mesma linha, Ejivaldo do Espírito Santo, coordenador da Região Leste II do Sindsep, questionou “qual é o projeto do vereador Danilo do Posto?”, ao alertar a importância de se conhecer e buscar mais informação sobre as pessoas em quem votamos. “Projeto é diferença de promessa. É importante questionar e saber quando eles vierem pedir seu voto”, reafirmou.
 
Para Sheila Araujo Costa, diretora do Sindsep e trabalhadora da área da saúde, o exemplo dado pelo vereador Danilo do Posto deve servir como aprendizado. “Funcionário público também é munícipe que utiliza os serviços públicos, então temos que pensar em quem votamos para prefeito/a e vereador/a. O Danilo do Posto foi uma surpresa e ele não volta se seguir traindo a categoria e a população”.
 
Outro servidor disse que percorrerá toda a comunidade para denunciar o posicionamento do vereador frente ao PLO 07/21, na votação em primeiro turno.

Protesto em frente ao escritório político do vereador
 
Em seguida, servidores e dirigentes do Sindsep estiveram também em frente ao escritório político do vereador Danilo do Posto, na Vila Maria, que estava sendo inaugurado, para reafirmar a necessidade do parlamentar rever sua posição.

Diante do escritório do parlamentar, com pessoas que acompanhavam do lado de dentro o ato na rua, Lucianne Tahan, coordenadora da Região Noroeste do Sindsep, alertou que mandato não é carreira. "Mandato de vereador dura quatro anos. Sua carreira é como servidor, então honre isso e vote contra esse projeto. Você é servidor. Você está vereador. É a unidade de saúde que te espera quando acabar o mandato, então lembre disso e vote contra esse projeto".

Há tempo para se redimir, avalia Sérgio Antiqueira. "É só voltar da licença e votar junto com a cidade, com o povo, e não com o prefeito e as instituições financeiras. Vamos lá, Danilo!", enfatizou o dirigente.