Funcionalismo

28 de Abril de 2022 - 18:04

Servidores foram para a porta da Prefeitura exigir do prefeito condições dignas de sobrevivência

Com panelas vazias, servidores exigem reposição salarial para poder enche-las novamente. Servidores aposentados criam um grito de guerra ?Queremos viver, o salário não tá dando para comer. Reajuste já?

Sindsep em parceria com Fórum das Entidades, levou mais de 3 mil servidores para a porta da Prefeitura, na tarde desta quinta-feira (28), em mais um ato da campanha salarial 2022, para exigir reajuste salarial com valorização. 
 
 
Servidoras e Servidores há mais de 20 anos amargam o reajuste 0,01% e neste momento que a inflação bate a casa dos 10%, assim como a população, servidores tem seu poder de sobrevivência comprometido. 
 
 
Mas principalmente os servidores aposentados, que além de sofrerem com esse famigerado reajuste tiveram a partir deste mês, o desconto dos 14% em seus holerites. Por isso foram a grande maioria no ato de hoje. 
 
 
Para o presidente do Sindsep o que o governo fez com os aposentados foi um ato criminoso. “Estamos tendo que fazer mobilização contando com os aposentados e aposentadas, porque o que esse governo fez foi criminoso. Ele bateu carteira dos aposentados tirou dinheiro dos remédios, tirou dinheiro da comida. Estamos atendendo servidores que estão morando na rua”.
 
 
A servidora aposentada Evandis trouxe um recado de uma colega que estava em casa doente e não pode comparecer, em que afirma que o dinheiro não está dando nem para comprar remédios e que está tendo que parcelar. 
 
 
O ato foi marcado por servidores batendo panela, pois muitas estão vazias. Em muitas falas servidores afirmaram que estavam pedindo apenas condições dignas de vida. O reajuste salarial não é para luxos, mas sim para sobrevivência. Muitos denunciaram o fato de o cofre da Prefeitura estar cheio e a maior cidade do país gastar abaixo do permitido com funcionalismo. 
 
 
A secretária dos Trabalhadores da Saúde do Sindsep, Lourdes Estevão, falou que “os servidores precisam ficar indignados com todos os relatos e que precisam lutar pela comida em seus pratos. Temos que falar que se você não tem capacidade de defender sua comida, eu não posso acreditar que você é um trabalhador responsável”.
 
 
Ao final do ato servidores definiram o dia 18 de maio, às 15 horas, em frente à Prefeitura para nova mobilização, uma vez que o governo não recebeu as entidades nesta tarde e que segundo o presidente do Sindsep Sérgio Antiqueira eles insistem que só irão apresentar uma resposta ou posicionamento em relação à pauta de reivindicações na primeira quinzena de maio. 
 
 
Para finalizar o ato, os participantes saíram em caminhada pelo Centro para dialogar com a população sobre os motivos dos servidores e servidoras estarem na rua. Parando em algumas unidades do serviço público, como a Secretaria de Fazenda, em que os seguranças baixaram as portas por medo da manifestação. Ainda foi feito uma parada na Subprefeitura da Sé e Cogess. 
 
 
RSU
 
 
Sindsep realizou na manhã desta quinta-feira, seu tradicional encontro de Representantes Sindicais de Unidade, que foi realizado no plenário externo da Câmara Municipal. Na reunião foram tirados alguns encaminhamentos entre eles a organização de paralisações de uma hora nas unidades em que há relatos de muito assédio moral e truculência. 
 
 
Também foi tirado a ampliação das visitas das unidades com várias entidades que compõem o Fórum ao mesmo tempo. E que essa mobilização será construída dentro do Fórum das Entidades.