Funcionalismo

02 de Setembro de 2021 - 17:09

Sindicato se reúne e cobra do superintendente do Serviço Funerário vários pontos

Os dirigentes do Sindsep João Batista Gomes, Vlamir Lima, Sheila Costa e os representantes sindicais de unidade, Noemi, Cláudio, Marilza e Volner; participaram nesta quarta-feira, 1º de setembro, de reunião com o superintendente do Serviço Funerário, Pedro Barbieri, Meire da Silva, chefe de gabinete, Rosana do RH e Ricardo do DAF.

 

A reunião tinha como pauta debater sobre a retomada da eleição das Cipas, condições de trabalho, hora extra, quebra de caixões, concessão do SFMSP, nomeação dos concursados e carros da FVB.

 

Eleger CIPAs e proteger a saúde dos trabalhadores

Em relação a retomada da eleição das Cipas foi apresentado como proposta ter três Cipas: nos cemitérios e velórios; no polo e tráfego da Vila Guilherme, Vila Mariana, São Luiz e Itaquera; Central (todos os setores; Consolação e agências. Foi tirado como encaminhamento a organização de uma reunião com a Rosana do RH para estabelecer o cronograma das eleições.

 

Exigência de segurança e condições de trabalho

No ponto sobre as condições de trabalho o Sindsep levantou a questão de EPIs, luvas, capas de chuvas, uniformes, botas, mini retroescavadeiras, mesas, cadeiras novas e álcool em gel para os servidores.

 

Governo afirmou que será feito uma licitação para aquisição de mais duas mini retroescavadeira, totalizando seis que seguirão mesmo roteiro de distribuição. Já os demais materiais informaram que não estão em falta, mas caso venham a faltar Sindsep deverá informar a superintendência.

 

No entanto, álcool em gel afirmaram que não há no almoxarifado, mas que assim que chegar será distribuído. O governo afirma que não deixa estocado no almoxarifado da Vila Guilherme, devido ao alto risco de incêndio.

 

Uniforme adequado para câmaras frias

Ainda no ponto de condições de trabalho foi questionado sobre as jaquetas para Câmaras frias que os trabalhadores necessitam com urgência pois não tem nos polos. Sindsep exige que seja uma para cada servidor que necessita entrar na Câmara, por conta do protocolo de Covid-19.

 

Pagamento das horas extras

Sindsep cobrou do governo o pagamento das horas extras aos servidores. Governo afirmou que houve corte devido ao orçamento estar apertado e que não fosse feito o corte o 13º salário poderia ficar comprometido. Sindicato, expos o problema de que mesmo com o corte os servidores continuam fazendo hora extra devido a falta de funcionário e estas horas acabam virando folgas.

 

Governo afirmou que no momento será mantido o corte, e que se houver servidores fazendo a mais sem autorização essas horas não serão pagas e o administrador ou quem autorizou será responsabilizado.

 

Terceirização: prejuízo para cofres públicos

Sobre a quebra de caixões Governo afirmou que de fato ocorrem, mas que a empresa L15 é a responsável. Já foi elaborado um relatório pelo departamento com quantos já foram quebrados e os mesmos serão cobrados da L15, O governo se comprometeu a enviar este relatório para o Sindsep informando de quanto será este montante.

 

Coisa errada com funerárias privadas

Em relação as funerárias privadas o superintendente afirmou desconhecer o problema e solicitou que ele seja notificado novamente. Pois se há falhas na fiscalização alguém será responsabilizado, uma vez que não se pode enviar o carro da FVB e não efetuar o serviço pelo fato de uma funerária privada já ter retirado o corpo.

 

O Sindsep questionou o superintendente de até onde será mantido a resolução das funerárias privadas poderem retirar caixões. Ele diz que dependerá do CDF (Conselho Deliberativo e Fiscal), e que poderá ser por mais um mês.

 

O que ocorre no crematório da Vila Alpina?

No caso do crematório o sindicato questionou a diminuição no número de cremação de 35 a 40 para 15 a 18, o que gera uma perda de receita. O superintendente informo que irá verificar isso diretamente pois afirma desconhecer essa informação. Isso ocorre no momento que o crematório, inclusive, está sendo ampliado por conta da cremação social que foi aprovada na Câmara Municipal e sancionada pelo prefeito.

 

Privatização/Concessão, não!

Sobre a concessão do Serviço Funerário o superintendente diz não ser ele quem está a frente disso, mas, sim a Secretaria de Governo e que por conta disso, algumas medidas que ele gostaria de tomar esbarram na concessão. Além disso, não soube informar quais os prazos, devido a mudança de prefeito e câmara que acaba por interferir nesse processo.

 

Nomeação dos concursados e novos concursos

Sindsep cobrou a nomeação dos concursados, mas segundo governo a nomeação está relacionada diretamente com a concessão, uma vez que neste processo não é autorizado contratação de emergência e nem a nomeação dos AGPPs concursados. O Sindsep apresentou a situação crítica que o SFMSP se encontra com o alto número de aposentados todos os meses e que a previsão até o final do ano é que mais 95 servidores se aposentem. O superintendente afirmou que se dependesse dele contrataria mais servidores.

 

FVB não está cumprindo contrato

Em relação aos carros da FVB, no contrato que está vigente prevê carros novos o que o superintende confirma. No entanto informou que a empresa possui cartas de créditos com empresas automobilísticas para a compra destes veículos, mas que ela está com dificuldades por conta da falta de equipamentos para montagem. E, por isso, foi realizado um deságio e diminuído o valor de contrato.

 

Ainda afirmou que a FVB pode estar tendo prejuízos devido a manutenção dos carros. Os atrasos e faltas de carros, deverão ser relatadas e descontado do contrato. O superintendente ainda pede para que o relatório que é enviado para o chefe da FVB seja enviado também para o seu e-mail. Sindsep se comprometeu a organizar este envio juntos aos seus representantes sindicais de unidade.

 

Ao final do debate sobre estes pontos de pautas o superintendente agradeceu a presença de todos e afirmou estar aberto para receber o Sindsep e as demandas dos servidores. Uma nova reunião ficou agendada para o dia 8 de setembro, para tratar sobre a mesa do tráfego na Vila Guilherme.

 

Sindicato não arreda o pé da defesa do Serviço Funerário

Sindsep seguirá acompanhando de perto e cobrando o governo para que as reivindicações sejam atendidas e defendendo que o SFMSP siga público e de qualidade!