Funcionalismo

23 de Março de 2020 - 13:03

Sobrecarregados, agentes dos cemitérios Vila Formosa e São Miguel não têm nem EPI

Enquanto o governador João Doria concede entrevista coletiva "afirmando que está tomando todas as medidas de amparo aos trabalhadores e população de São Paulo", os dirigentes do Sindsep, João Batista Gomes e Manoel Norberto Pereira estiveram na manhã desta segunda-feira (23) em dois cemitérios da zona Leste, o de Vila Formosa I e II, e o da Saudade (São Miguel Paulista), mostrando que a realidade é bem diferente do que vem sendo mostrado pelo governo Covas/Doria.

Sindsep defende que trabalhadores com mais de 60 anos e grupo de risco sejam dispensados do trabalho presencial, sem prejuízo de vencimentos. 

 

Nos dois cemitérios da Vila Formosa e São Miguel Paulista, os dirigentes constataram deficiências de EPI, ausência de condições sanitárias de trabalho e falta de pessoal. 

 

No Cemitério Vila Formosa, os servidores usavam luvas e máscaras comuns, quando o recomendado pelas autoridades sanitárias é a máscara N95, o único álcool gel disponível foi o levado pelos próprios agentes. 

 

No Cemitério da Saudade, o Sindsep conferiu condições semelhantes e a máscara disponibilizada para aqueles trabalhadores pertenciam a um lote vencido (de 3/08/2014).

 

Máscara disponibilizada pela gestão Covas/Doria aos agentes do Cemitério de Vila Formosa.

 

Em reunião com os agentes das unidades, o Sindsep informou que o Serviço Funerário Municipal não atendeu até agora o pedido de reunião reivindicada pelo sindicato e que, a despeito do que informou sobre a compra de 1 tonelada de álcool gel, o que existe é apenas um processo de compra. 

 

Os dirigentes defendem que trabalhadores com mais de 60 anos ou doenças crônicas, gestantes e lactantes sejam dispensados do trabalho presencial, sem prejuízo de vencimentos. Outra situação preocupante é a dos trabalhadores terceirizados, sem equipamento de proteção e ameaçados de cortes em salários e demissões. 

 

O Sindsep também defende a proibição dos velórios até que a situação da pandemia se estabilize, chamada imediata de 200 AGPPs do concurso que a gestão Covas/Doria ainda não convocou e a garantia de condições para os trabalhadores terceirizados também expostos ao risco do adoecimento.

 

Máscara vencida no Cemitério da Saudade, em São Miguel Paulista, zona Leste.

 

 

Fotos: João Santana/ Sindsep