Funcionalismo

19 de Novembro de 2020 - 15:11

Trabalhadores da Saúde, CEUs e serviços socioassistencias reafirmam descaso de Bruno Covas com a população em meio a aumento de casos de Covid

Luba Melo denunciou registros de casos confirmados em CEU Butantã identificados após retomada

Sindsep juntamente com trabalhadores da assistência social, educação, saúde e analistas de CEUs em novo protesto em frente à Prefeitura, na manhã chuvosa desta quinta-feira (19) para exigir do prefeito Bruno Covas condições de trabalho, condições sanitárias, protocolos de segurança adequados e testagem para todos que atuam em serviços socioassistenciais, CEUs, escolas e outros equipamentos, antes da retomada das aulas, das atividades culturais e esportivas na cidade.
 
 
Sérgio Antiqueira, presidente do Sindsep, lembrou o aumento de casos de Covid-19 na cidade e das internações nos hospitais, que nas próximas semanas poderá ampliar as estatísticas de mortes que vinham declinando na cidade, região metropolitana e no estado. “Doria deixou claro ontem que isso vai atualizar as fases, as cores das regiões do estado no dia 30, ou seja, um dia depois do segundo turno. Não temos a menor dúvida que isso é para não impactar na eleição do afilhado dele, Bruno Covas”, disse o dirigente. 
 
 
Ele também adinatou que se hoje o Sindsep e os trabalhadores não obtivessem uma resposta do governo, o sindicato irá representar junto ao Ministério Público. "E se tiver alguma morte ou adoecimento por causa dessa retomada das atividades irresponsável pelo governo Bruno Covas, o sindicato irá ajudar as famílias com assessoria jurídica para entrar na justiça, para responsabilizar os culpados". 
 
 
Geraldo Brito, representante do Fórum Municipal de Assistência Social, falou que os trabalhadores e usuários da assistência social e educação há tempos estão indignados com essa gestão que expõe todos ao risco. Também reclamou da falta de diálogo com o prefeito Bruno Covas sobre a não retomada das atividades presenciais. “Este prefeito ou esse candidato não nos ouve, não respeita nem as legislações vigentes, não respeita decisões deliberativas de conselhos como o Conselho Municipal de Assistência Social (Comas), que tem se colocado contra a retomada”, sublinhou Brito.
 
De acordo com a dirigente do Sindsep, Luba Melo, após uma semana de retomada das atividades o CEU Butantã está com oito trabalhadores afastados, dois deles confirmados por Covid-19 e os demais aguardando resultado do exame. "O Sindicato já encaminhou ofício para a secretária Municipal de Educação pedindo o fechamento imediato dessa unidade e que seguirá denunciando a situação", acrescentou. 
 
 
Trabalhadores concursados e terceirizados também relataram as péssimas condições de trabalho na assistência na cidade de São Paulo, a falta de testagem, o fechamento de mais de 60 unidades de atendimento e as demissões que vem ocorrendo em massa dos trabalhadores contratados por OSCs. Eles temem que com o agravamento da pandemia essa situação continue, o que causará mais precarização dos atendimentos. Débora Lima, trabalhadora terceirizada da Assistência Social e que foi demitida do Núcleo de Convivência, pediu um minuto de silêncio aos colegas que perderam a vida para a Covid-19. 
 
Na sequência, o presidente do Sindsep leu o documento que será enviado aos CEUs em nome dos analistas, já que o governo se recusou a dar uma resposta aos trabalhadores e sindicato. A proposta, que inclui a representação junto ao MPSP, foi aprovada por unanimidade no protesto. 
 
 
João Gabriel Buonavita, vice-presidente do Sindsep, também propôs como encaminhamento a realização de uma reunião conjunta no início da próxima semana para organizarem uma invasão à reunião virtual do Conselho Municipal de Saúde. “O comitê de campanha de Bruno Covas tem medo que a aceleração do contágio possa atingir a campanha do candidato, mas nós estamos preocupados com as vidas. Por isso precisamos ocupar a reunião do conselho”, explicou Buonavita sobre a proposta, aprovada pelos presentes.