Mulheres

30 de Outubro de 2019 - 12:10

Comitê de Combate ao Assédio Sexual do Sindsep realiza seminário sobre a temática

O Comitê de Combate ao Assédio Sexual do Sindsep, realizou juntamente com a FES - Fundação Friedrich Ebert Stiftung, o seminário A Política é Pública, meu corpo não: combate ao assédio sexual na PMSP, nesta terça-feira, 30 de outubro. 
 
 
A mesa de abertura foi composta pela secretária de Políticas para as Mulheres do Sindsep, Luba Melo, que está à frente do Comitê de combate ao assédio, falou sobre o surgimento do projeto, apresentou dados sobre assédio e estupro. Waldeli Melleiro, diretora de Programas sobre Políticas Sociais, Relações de Trabalho, Gênero e Cooperação Sindical da FES, explicou o papel da Fundação, como realiza seu trabalho, também falou sobre a parceria com o Sindsep e parabenizou o trabalho realizado pelo Sindicato no combate ao assédio sexual.
 
 
Roberto Alves, secretário de Saúde do Trabalhador do Sindsep, falou sobre os casos de assédio que chegam no seu departamento, que o serviço público é um campo fértil para que isso aconteça. Também falou sobre a importância do comitê na luta contra o assédio na Prefeitura de São Paulo. O presidente, Sergio Antiqueira em sua fala agradeceu a FES pela parceria com o Sindicato, como também parabenizou as funcionárias do Sindsep pelo Comitê e pelo seminário. 
 
 
Com o tema “Violência de Gênero no Mundo do Trabalho: desafios e caminhos, foi realizada a primeira mesa de palestras sobre a coordenação de Cira Malta, dirigente do Sindsep. A primeira palestrante foi Junéia Batista, vice-presidenta do Comitê Mundial de Mulheres da Internacional dos Serviços Públicos – ISP, que falou sobre as campanhas que a entidade realiza pela igualdade das mulheres no mundo. Beth Silvério, secretária municipal do PT, falou sobre as políticas públicas para as mulheres na cidade e que sofrem ataques do governo Doria/Covas e por isso, dá importância das mulheres estarem unidas para enfrentar esses retrocessos. Gabriela Biazi, assessora da Procuradoria Geral do Município de São Paulo, falou sobre a criação da Lei contra assédio na PMSP, apresentando dados de uma pesquisa realizada com servidores e explicou os conceitos de assédio.
 
 
No período da tarde foi realizada uma mesa com o tema “Masculinidades, racismo, LGBTQfobia: olhares sobre o assédio sexual, que foi coordenada pela dirigente do Sindsep, Noemi Gomes. Flavio Urra, coordenador do programa E agora José? grupo socioeducativo de responsabilização de homens, falou sobre o programa que visa ajudar homens que cometeram violência contra a mulher e foram punidos, a não cometerem o mesmo crime novamente. E da importância de combatermos o machismo. Neon Cunha, ativista na defesa dos direitos humanos e da dignidade das pessoas LGBTI+, falou sobre as diferenças entre brancos e negros, sobre religião, sobre como os seres humanos antes mesmo de nascerem já são definidos como sendo do sexo feminino ou masculino. Denise Bonifácio, assistente social na PMSP, abordou o racismo institucional, além de apresentar um contexto histórico sobre os negros, eles que são quem mais sofrem assédio dentro da Prefeitura.
 
 
Para encerar o seminário, os membros do Comitê de combate ao assédio sexual na Prefeitura de São Paulo, composto por Luba Melo, Roberto Alves, Maria de Lourdes (Lurdinha), Claudete Noronha, Lenir Viscovini, Andrea Oliveira, Elionara Ribeiro, Carolina Grando, Ligia Daher e Letícia Kutzke, falam sobre a importância do projeto para cada um. Também foi apresentado pela psicóloga do Sindsep e membra do Comitê, Carolina Grando, os dados da pesquisa realizada nas unidades em que foram realizadas oficinas e palestras sobre assédio sexual, para os participantes entenderem um pouco, de como se dá o assédio dentro do serviço público.