Notícias

05 de Abril de 2021 - 10:04

Covas e Padula promovem aglomeração e desorganização com testes dos profissionais da Educação

A testagem não é obrigatória e o Sindsep orienta que os profissionais da educação não compareçam nos CEUs, para evitar a aglomeração

Começou nesta segunda-feira a testagem de profissionais da educação da rede pública nos Centros Educacionais Unificados (CEUs). Mas, ao invés de ajudar com o controle de casos, o que se vê é uma total desorganização. O Prefeito Covas e o secretário da Educação, Fernando Padula, promovem uma verdadeira “fila do Covid”.


Fila no CEU CEI Dirce Migliacci, em São Matheus: aglomeração e desorganização.

O Sindsep tem recebido nesta manhã diversas denúncias da falta de organização e o descaso da prefeitura com os trabalhadores e trabalhadoras da educação. Na maioria dos CEUs, foram recebidos apenas 200 kits de testes, sendo que a expectativa diária é de milhares de trabalhadores para a testagem, uma vez que são várias escolas em período de 2 horas divididas em 04 horários diferentes cerca de 5 escolas, por exemplo.Em diversos pontos a senha já acabou, mas a fila não para de crescer. Até o fechamento deste texto, por exemplo, os testes já acabaram no CEU Aricanduva enquanto ainda há muitas pessoas aguardando na fila.


No CEU Azul da Cor do Mar a fila se extendeu por alguns quarteirões

Além disso, a desorganização e um processo demorado relatados pelos presentes aumenta a espera e a aglomeração. É mais uma falta de respeito e cuidado com seus trabalhadores por parte de Bruno Covas e a secretaria de Educação. A vida dos trabalhadores e das trabalhadoras pouco importa.


No CEU Jambeiro, em Guaianases, os profissionais da educação também enfrentaram desorganização e filas

Defendemos uma testagem pautada na situação sorológica atual dos alunos, famílias e profissionais. O teste realizado tal qual proposto detecta apenas se houve contato com o vírus em algum momento. A política de testagem deve estar atrelada ao controle da pandemia buscando desenvolver o isolamento social de quem estiver em suspeita ou confirmação positivada. Além disso, o teste precisa ser permanente ao invés de apenas em momentos específicos. Com todo este movimento midiático, a SME e Bruno Covas tenta trazer para a opinião pública a falsa sensação de que está dando condições para a retomada das aulas presencias, garantindo a exigência do lobby dos empresários da educação: donos das escolas privadas e particulares.

O Sindsep está presente, junto aos Comandos de Greve em vários postos de coleta, e orientamos o não comparecimento no período da tarde e nos próximos dias em situação tão propicia a disseminação do vírus. A testagem não é obrigatória e, conforme vídeo do Secretário da Educação do Sindsep, Maciel Nascimento, "não coloque sua vida em risco”. Nos mantemos em luta para cobrar uma real segurança para os profissionais da Educação, os alunos e seus familiares.

A greve continua, pois a situação assim exige! É Greve na Educação Pela Vida!

Acompanhe a situação nos CEUs, nas primeiras horas de testagem, clicando aqui: https://bit.ly/3sU1Gxf

ERRATA: Ao contrário do que dissemos, o Teste PCR detecta, sim, infecção ativa por Coronavírus, mas o teste que está sendo realizado nos CEUS é teste sorológico que é insuficiente, pois apenas atesta se a pessoa já teve a doença e nãos se a pessoa está doente. A necessidade do momento é que saibamos quem está doente e que pode transmitir o vírus nas escolas e não quem já esteve doente.