Notícias

24 de Setembro de 2021 - 17:09

CRR discute conjuntura e próximos passos de luta em defesa do funcionalismo público

O Conselho Regional de Representantes se reuniu nesta sexta-feira, 24.09, em reunião online. Os conselheiros debateram a conjuntura nacional e municipal, em que os governos de Jair Bolsonaro e Ricardo Nunes avançam sobre os servidores com a Reforma Administrativa (PEC 32) e o pacote de maldades enviado à Câmara Municipal pelo Prefeito Nunes.

Sergio Antiqueira, presidente do Sindsep, abriu o primeiro bloco tratando dos ataques aos servidores e aos serviços públicos, classificando os Projetos de Lei (PL) de Nunes como “bombas”. Para Sergio, “o pacote enviado à Câmara é muito grave. São várias bombas, por que, além de outras coisas, vai trazer desconto salarial à todos os aposentados.” O presidente ainda falou que os aposentados de Nível Básico e Médio, categoria que recebe menos na Prefeitura, serão os maiores prejudicados, com “14% de desconto para todo mundo, tira mais dinheiro de quem tem menos.”

Este grave ataque aconteceu na última quinta-feira, em que o Prefeito Ricardo Nunes enviou à Câmara Municipal 4 PLs que penalizam os servidores (veja aqui). Sergio afirmou também que o governo produz o déficit na previdência, para depois responsabilizar os servidores, já que não há novos concursos, com terceirizações por todo o serviço público. E, com isso, dizem faltar dinheiro para pagar as aposentadorias. Agora, os aposentados perderão ainda mais poder de compra, afetando sobretudo os que recebem os menores salários, já que o confisco de 14% de seus vencimentos, ao invés de ser escalonado de acordo com a renda, pesará mais no bolso dos que possuem o menor salário.

Para Vlamir Lima, diretor do Sindsep e da Confetam, falou sobre as questões da PEC 32. Para ele, é preciso mobilizar a categoria, “vamos fechar um calendário de visita aos deputados federais, pois a Reforma Administrativa não pode passar.”

Ainda sobre a questão de mobilizar a categoria, Lourdes Estevão, diretora dos Trabalhadores da Saúde do Sindsep, disse que, uma vez que a Reforma é um projeto que acaba com os serviços públicos, precisamos conversar com os trabalhadores. “Como que a gente consegue ajudar aos trabalhadores a compreender o que é o Estado? Nós [os servidores] precisamos compreender que nós somos o Estado. E quando dizem que precisam enxugar o Estado, estão falando em nos tirar, nos enxugar. É um ataque aos serviços públicos”, afirmou a dirigente.

Após o primeiro bloco tratando da conjuntura, os coordenadores de região do Sindsep apresentaram aos conselheiros sobre a situação de seus locais. José Teixeira, coordenador da região Norte, falou sobre a situação da sua região, em que “ficaram poucas unidades da administração direta”, dando exemplo da terceirização que afeta às unidades. Lourdes Estevão falou sobre a realidade da região Sul, em nome da coordenadora Laudiceia Reis, destacando a luta no hospital do Campo Limpo e do movimento no hospital do M’Boi Mirim, sob ataques e tentativas de terceirização.

Luba Melo falou acerca da região sudeste, destacando as mobilizações em defesa do ambulatório Ceci, para não ser entregue nas mãos das OSs e da luta contra terceirização da UBS Rossini. Alexandre Giannecchini, coordenador da Leste III falou também sobre a sua região e os desafios dos trabalhadores nela. Os coordenadores das regiões faltantes, tratarão de suas particularidades na próxima reunião de CRR.

João Batista Gomes, diretor de Comunicação do Sindsep e da executiva da CUT, falou da importância dos coordenadores, dos conselheiros e dos representantes sindicais. “Os CRRs e RSUs são os nosso olhos no local de trabalho” enquanto que os coordenadores são as penas do Sindsep, fazendo uma analogia sobre o importante trabalho realizado, fazendo com que as demandas das unidades cheguem ao sindicato.

Ao final, Sergio Antiqueira trouxe informações sobre a reunião do Fórum das Entidades, que ocorria paralelamente ao CRR, sobre os próximos passos na mobilização em defesa dos servidores de Nível Básico e Médio e contra os PLs apresentados por Nunes. Foi decidida por preparar mobilização dos CRRs e coordenadores das regiões para percorrer as unidades tratando dos Pés da prefeitura e realizar ações nas regiões, com plenárias e chamando a categoria para a mobilização; Pressão sobre os vereadores para que não se vote os PLs que atacam aos servidores; Luta pela nomeação dos aprovados em concurso para cobrir os trabalhadores contratados temporariamente no combate ao Covid-19 que estão sendo dispensados; E, também, as entidades marcarão presença na reunião do Colégio de Líderes na Câmara, para pressionar os vereadores contra os Projetos de Lei.

Além das mobilizações em Brasília contra a Reforma Administrativa, em que o Sindsep está acompanhando de perto, acontecerá, no dia 29.09, quarta-feira, às 18 horas, Plenária Online dos Agentes de Apoio, AGPPs e ASTs, para tratar da busca por reestruturação na carreira. No dia 06.10, às 14 horas, em frente à Prefeitura, ato/assembleia do Nível Básico e Médio, contra o pacotão de maldades e contra o Sampaprev 2.