Notícias

18 de Fevereiro de 2021 - 12:02

Governo Covas não adota providências cobradas por sindicato e coordenadora do NPJ Vila Mariana falece de Covid-19

Ovilia Badessa de Abreu foi vítima da omissão da Prefeitura de São Paulo, que se negou a tomar providências para melhoria das condições sanitárias. Sindsep encaminha relatório da visita ao MP e questiona Smads sobre medidas que serão adotadas no SAS Vila Mariana.

Ovilia Badessa de Abreu, 57 anos, supervisora do Núcleo de Proteção Jurídico Social e Apoio Psicológico (NPJ) Vila Mariana, faleceu na última terça-feira (16), vítima de complicações da Covid-19.
 
A notícia foi recebida com tristeza e indignação pela secretária de Atenção a Mulher Trabalhadora e coordenadora da Região Sudeste do Sindsep, Luba Melo, que esteve em 9 de fevereiro visitando a Supervisão de Assistência Social da Vila Mariana (SAS), quando soube da gravidade do estado de saúde da psicóloga internada na UTI em decorrência da Covid-19. 
 
"É muito revoltante, porque essa gestão trata a vida dos trabalhadores dos serviço público e população de modo geral como descartáveis. Nós estivemos uma semana antes da Olivia falecer, porque o Sindsep vem recebendo denúncias sobre condições insalubres para os profissionais do SAS Vila Mariana, Jabaquara e outros da cidade. Na visita, com a técnica de Saúde do Trabalhador do sindicato, Elionara, tivemos a informações de trabalhadores afastados por Covid-19, incluindo a coordenadora do Núcleo de Proteção Jurídico Social e Apoio Psicológico (NPJ) em estado grave, e nenhum dos demais havia sido testado. Também não foram tomadas providências pela gestão, no sentido de melhorar as condições de trabalho, distanciamento social e outras medidas sanitárias preventivas", denuncia Luba.
 
O prédio visitado, onde trabalhava Ovilia, concentra também o SAS, o Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas), o Centro de Referência de Assistência Social (Cras), o Espaço Público do Aprender Social (Espaso) e o Núcleo de Política da Assistência Social (Nepas).
 
Conforme foi levantado na visita, Luba esclarece que circulam diariamente no prédio mais de 100 pessoas. "O 1º andar, que mais parece um porão, funciona a Coordenação de Pronto Atendimento Social (CPAS), com inúmeras salas, mas apenas uma única destinada a dezenas de orientadores sociais que fazem a abordagem à população em situação de rua, o Cras, Creas e NPJ. Refeitórios e banheiros também estão desproporcionais a quantidade de pessoas que utiliza o prédio. Portanto, um ambiente bastante insalubre e que agrava em muito o risco de contaminação".
 
No Creas, quatro assistentes sociais atendiam amontoadas em uma sala de 7m x 6m, "praticamente sem ventilação", verificou a dirigente do Sindsep na visita. Na área superior do prédio, onde fica o Espaço Público do Aprender Social (Espaso) as salas para capacitação mais arejadas e iluminadas estavam sem nenhum uso devido à paralisação nas atividades formativas. 
 
Técnicos trabalham amontoados em espaços sem ventilação e inadequado. | Fotos: Luba Melo
 
Na ocasião, a sindicalista conversou com a supervisora do SAS que confirmou uma busca por novo imóvel desde julho de 2020 e apesar de alguns imóveis encontrados, a locação foi barrada na burocracia imposta pela administração municipal.
 
João Gabriel Buonavita, vice-presidente do Sindsep, lembra que há mais de um ano o Sindsep vem denunciando e cobrando as condições precárias de trabalho nesse espaço da Assistência Social, que concentra seis serviços socioassistenciais, no entanto o governo não tomou nenhuma providência de ordem prática que prevenisse esses problemas que colocam em risco a saúde e a vida de trabalhadores e pessoas atendidas. Apesar de relatório da Assistência Social informando o registro de nove casos de Covid no ano passado, os dirigentes não têm dúvidas de que o número é bem superior. 
 
SINDSEP QUESTIONA SMADS
 
O Sindsep encaminhará o relatório da visita ao SAS Vila Mariana, em 9 de fevereiro, ao Ministério Público, que já vem apurando irregularidades no local, e notificará a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social cobrando em caráter de urgência quais as providências que serão tomadas.