Notícias

04 de Janeiro de 2021 - 17:01

Sindsep participa de pesquisa sobre Covid-19 e o trabalho

O Sindsep assinou termo de cooperação com um grupo de pesquisa especializado em Saúde do Trabalhador e Saúde Pública, intitulado Dossiê Covid no Trabalho. O objetivo do grupo é pesquisar as questões relacionadas à Covid-19 e o trabalho, com base em depoimentos e pesquisas dos trabalhadores de diversas áreas e diferentes cenários, ao final será produzido um dossiê sobre a doença nas diversas atividades laborais.

Em um primeiro momento, os interessados em contribuir podem preencher o formulário disponível aqui (https://forms.gle/Pznooycp943pqXn48), posteriormente, com algumas pessoas, haverão entrevistas. Em paralelo, textos e outras formas de divulgação serão realizados para dar visibilidade aos diversos aspectos que envolvem a doença e as condições de trabalho durante a pandemia.

O grupo de pesquisa é composto por diversos pesquisadores de renomadas universidades e é composto por especialistas em Saúde do Trabalhador e Saúde Pública. O Sindsep é um entre diversos parceiros, estas entidades estão apoiando o projeto e realizando sua divulgação.

Para Roberto Alves, secretário de Saúde do Trabalhador do Sindsep, "é de extrema importância a participação do Sindsep e dos trabalhadores públicos para termos a dimensão da situação do adoecimento por Covid no setor público, contribuindo com a pesquisa, com o seu combate e buscando melhorias no trabalho e na saúde dos trabalhadores."

Veja abaixo a apresentação da pesquisa, disponível em:

https://www.congressointernacionaldotrabalho.com/


COVID-19 COMO UMA DOENÇA RELACIONADA AO TRABALHO
   

A COVID-19 pode ou não ser uma doença relacionada ao trabalho? Essa questão gera grande polêmica entre diferentes segmentos da sociedade, que por sua vez se depara com situações de extensa contaminação dos que atuam nos serviços de saúde e cemitérios, ou ainda entre os motoristas, pessoal da limpeza e alimentação, nas atividades classificadas como essenciais, entre aquelas que foram mantidas durante a pandemia.
  

A favor do reconhecimento do caráter ocupacional da COVID-19 há vários argumentos, entre os quais o caráter comunitário da doença e a grande proporção de assintomáticos, que implicam o aumento de risco de exposição ao vírus sempre que qualquer pessoa  entra em contato com outra, que esteja contaminada, mesmo que sem sintomas.
   
A escassez de informações sobre como as pessoas trabalharam durante a pandemia nos motivou a pensar em um projeto para dar visibilidade aos
diferentes cenários de trabalho no mercado formal e informal.
 
O projeto COVID-19 COMO UMA DOENÇA RELACIONADA AO TRABALHO vai produzir um dossiê sobre a doença nas diversas atividades de trabalho, por meio de informações e percepções de pessoas que trabalharam e trabalham durante a pandemia fora de domicílio ou dentro de suas casas em companhia de colegas. Serão fontes de informação os trabalhadores nessas condições ou outras pessoas que possam retratar sua situação, no caso de impossibilidade de participação direta dos envolvidos.
   
Utilizaremos, para isso, um formulário a ser respondido pelo celular ou por computador, em google forms e entrevistas com algumas das pessoas que responderem às questões colocadas. Paralelamente ao desenrolar da pesquisa, dados parciais e matérias jornalísticas serão produzidos para dar visibilidade aos diversos aspectos que envolvem a covid-19, as condições e a organização de trabalho neste período de pandemia, as condutas das empresas nos cuidados de seus ambientes e nos casos de adoecimento de seus trabalhadores, as necessidades pelas quais estes passam para que ajudas de diferentes naturezas possam ser oferecidas.
 
Optou-se preferencialmente pela divulgação virtual dos formulários pelos sindicatos, associações de classe e movimentos sociais, entre outras instituições ou entidades, mas todas as informações que chegarem serão devidamente consideradas, independentemente da intermediação dos parceiros.
 
A lista de adesão das entidades e movimentos parceiros será constantemente atualizada, assim como as páginas com relatos e pequenas biografias de trabalhadores afetados pela doença.
Nosso projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos pelo parecer número 4.290.745.