Notícias

26 de Setembro de 2008 - 00:09

Servidores chilenos vão à greve geral, dia 1

A Federação Regional do Funcionalismo Metropolitano (Ferefum), que representa os servidores de 5 províncias (Estados) do Chile, prepara, para a próxima segunda-feira, dia 1 de outubro, greve geral contra a reforma no serviço público em andamento no Chile. As propostas foram apresentadas ao Congresso pela presidente Michele Bachelet.

O anúncio da greve foi feito pelo presidente da Ferefum, Arturo Villagran Figueroa, durante reunião do Conselho de Representantes do Sindsep, dia 21 de setembro. Segundo Arturo, a reforma tem caráter neoliberal e é nitidamente “ditada pelos interesses do Fundo Monetário Internacional” (FMI), disse.

Arturo encontrou semelhança entre as reformas que estão sendo praticadas no Chile com as que o Prefeito Gilberto Kassab vem implantando em São Paulo. “Eu tive a oportunidade de ler o caderno de teses do 9º Congresso e percebi que o que acontece aqui, acontece também no Chile, as reivindicações que vocês fazem são exatamente às mesmas que nós fazemos”, disse. Os servidores chilenos também querem ter Negociação Coletiva e a garantia do direito de greve. Arturo conclamou os servidores brasileiros a estarem em “permanente unidade” contra essas reformas neoliberais.

Alguns pontos da reforma duramente criticados pelo presidente da Ferefum são os PLs que visam “modernizar” a gestão pública, para isso, um deles acaba com a ascensão na carreira por mérito, outro com as chefias e outro, só considera servidor público, o profissional de nível universitário que, em sua graduação, estudou por mais de 10 semestres (5 anos), além dos PLs que abrem a possibilidade para as terceirizações e privatizações de órgãos e serviços públicos. Outro absurdo apontado por Arturo é a falta de critério para reajustes dos salários. “Como é o prefeito que assina o reajuste, ele pode decidir se um engenheiro pode ter reajuste ou não”. Um critério que visa, principalmente, prejudicar o servidor público que se organiza e se manifesta.

O Conselho de Representantes do Sindicato aprovou o envio de uma carta à presidente chilena Michele Bachelet pedindo que volte atrás e retire do Congresso os Projetos de Lei que promovem as reformas nos serviços públicos. O Sindsep confirmou que irá convidar formalmente Arturo V. Figueroa para participar do 9º Congresso da entidade.