Notícias

03 de Maio de 2010 - 00:05

Trabalhadores da Zoonoses - DIA 6 DE MAIO - 10h - VAMOS PARA A SMS

Participamos do ato da nossa campanha salarial no dia 27 de março e diante da situação dos trabalhadores de zoonoses decidimos fazer um novo ato. A comissão de mobilização decidiu antecipar o ato para o dia 6 de maio na SMS, pois a situação está muito difícil.

A SMS, através do secretário adjunto na audiência da comissão de saúde (28/04), anunciou que 214 agentes (2001) irão para os PAVs e os demais, em torno de 100, estão sem solução. Sobre 2007 nada foi dito. Na base, há muita pressão dizendo que todos serão dispensados no dia 15.

A comissão que se reuniu no Sindsep decidiu portanto antecipar o ato, pois não é possível que o governo diga que está se esforçando para resolver o problema, anuncie que jogarão os servidores para as parcerias (PAVs), um trabalho que deve ser desenvolvido pelos agentes da zoonoses. Ora, se tem dinheiro para contratar pelas parcerias, porquê não manter na SMS todo esse pessoal? A SMS continua assim a desestruturar o combate as endemias na capital.


CAOS NA CIDADE


A SMS esconde da população a real situação da dengue no município, não há um efetivo combate à dengue e veja as condições criadas pelo governo: jogou o pessoal para as UBSs; não tem transporte para as equipes; nenhuma condição de trabalho; o protetor solar usado está vencido. Portanto a população corre sérios riscos de uma endemia na cidade.

MOMENTO DE UNIÃO


Este momento é de união, de solidariedade entre todos os agentes, seja de 2001, 2007 ou efetivos, pois o governo busca nos dividir e não podemos cair neste jogo.

Diante dessa intransigência devemos continuar lutando pela aplicação da Emenda 51, que resolveria de imediato a situação de todos de 2001, continuar lutando para garantir o emprego do pessoal de 2007 e aplicação também da Emenda 63, que é a criação do cargo de agente de endemia além do piso salarial.

O Ministério Público, a promotoria, os vereadores, já se pronunciaram no sentido de criar uma solução para manter o emprego de todos, mas a SMS fica enrolando e dando uma solução paliativa, que não resolverá o problema.


VENHA PARA O ATO - 6 de maio - 10 HORAS na SMS