Saúde

05 de Novembro de 2019 - 16:11

AMBULÂNCIA DO SAMU SOFRE ACIDENTE EM ESTRADA A CAMINHO DE CAMPOS DE JORDÃO

Na tarde do dia 4 de novembro, três pessoas ficaram feridas, em um grave acidente envolvendo  uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) do Município de São Paulo e um caminhão  na  rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro, no município de Santo Antônio do Pinhal. A ambulância do SAMU de São Paulo seguia para Campos do Jordão com o objetivo de realizar uma remoção de um paciente nesta cidade quando ocorreu a colisão.
 
Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o condutor da ambulância teve fraturas nas duas pernas e socorrido pelo helicóptero Águia, da Policia Militar para o Hospital Regional de Taubaté.
Os outros dois feridos foram uma auxiliar de enfermagem que estava na ambulância, e o motorista do caminhão, que foram encaminhados para o Hospital Regional, sendo que não havia nenhum paciente no momento do acidente.
 
O Sindsep-SP se solidariza com os trabalhadores feridos e deseja sua mais rápida e plena recuperação. Por outro lado, enquanto uma entidade representante dos trabalhadores municipais, o Sindsep não pode deixar de notar que tal ocorrência incide em meio à diversas irregularidades cometidas pela administração do SAMU do Município de São Paulo:
 
Em primeiro lugar, o condutor que dirigia a ambulância no momento do acidente estava em situação de readaptação, sendo que o mesmo não poderia estar conduzindo a viatura do SAMU. Sabemos que alguns trabalhadores se submetem a tais irregularidades diante das inúmeras pressões cometidas pela atual administração, a qual se recusa a completar o quadro de funcionários por meio de concurso público, e utiliza irregularmente os servidores para dar conta da demanda do serviço;
 
A técnica de enfermagem presente na ambulância do SAMU no momento do acidente não é uma funcionária do SAMU, o que se configura em outra irregularidade, já que somente funcionários do SAMU podem tripular as viaturas do Serviço;
 
Há que se verificar as condições mecânicas da viatura, já que sabemos de longa data a série de irregularidades e serviços a não contento da empresa terceirizada de manutenção das viaturas do SAMU (Agricol Diesel), que segundo denúncias de trabalhadores, em diversas ocasiões devolveu as ambulâncias para o serviço com os mesmos defeitos para os quais foi contratada para resolver; 
 
A ambulância envolvida no acidente é uma ambulância reserva da Base do SAMU na Cidade Universitária (AM 1.009). Ainda paira a dúvida sobre se tal viatura poderia ser utilizada para serviço de remoção de pacientes de outros municípios (Campos de Jordão), ou se é exclusiva para a prestação de serviço de urgência e emergência no Município de São Paulo. Não bastasse essa dúvida legal, por que utilizar veículos para a remoção de pacientes de outros municípios com a cidade de São Paulo sofrendo com o aumento de tempo resposta e com a diminuição de atendimentos às vítimas de agravos?
 
O Sindsep-SP seguirá no sentido de apurar o ocorrido, de fazer valer as regras legais, bem como de fazer valer o direito dos trabalhadores.