Saúde

15 de Julho de 2021 - 11:07

Candido Vaccarezza quer extinguir HM Ignácio Proença de Gouveia, na Mooca

Futuro candidato a deputado, o diretor clínico do hospital tem projeto de tornar único hospital público em unidade para idosos e cirurgias eletivas; população se soma à revolta de trabalhadores com a notícia.

O Sindsep teve acesso ao plano “macabro” da direção do Hospital Ignácio Proença de Gouveia, conhecido como Hospital João XXIII, em transformar a unidade em Hospital Geral do Idoso e Gestante. Para quem não conhece, o hospital da Mooca é referência para os moradores da cidade, especialmente da zona Leste e, mesmo sob a ameaça constante de privatização, precarização do serviço pela organização social presente em alguns setores, ausência de condições de trabalho para os profissionais e falta de EPIs, o hospital cumpriu papel decisivo no enfrentamento da pandemia.
 
Há na Câmara o projeto de lei 0598/2013, da vereadora Edir Sales, para construção de um Hospital Geral do Idoso, vetado pelo ex-prefeito Bruno Covas, portanto necessitando da derrubada do veto. A votação, na pauta da sessão de quarta (14), não se efetivou. Porém, a ameaça de extinção do HM João XXIII segue viva, porque o diretor da unidade Cândido Vaccarezza tem pretensões eleitoreiras na alteração do hospital.
 
“Sou diretor do Hospital Ignácio e posso te dizer que o nosso Hospital, talvez, neste tempo de Pandemia, foi um exemplo de atendimento. Ampliamos a maternidade de 14 para 16 leitos, ampliamos a UTI de 7 (tínhamos no papel 12 leitos) para 30 leitos de UTI e fomos, e ainda somos referência no atendimento a pacientes Covid na Região Sudeste. Não podemos confundir fechar a porta do PS para procura espontânea, com fechar o Hospital. No pico da Covid nosso Hospital chegou a ter 37 pacientes intubados. E felizmente mantivemos o atendimento 24 horas, com o Hospital lotado, sem recusar pacientes e sem virar foco de infecção por Covid. Alguns funcionários adoeceram, 1 funcionária e um trabalhador de terceirizada, para a nossa tristeza, foram a óbito. Mas não faltou EPI, não negligenciamos o atendimento e não deixamos de reformar para melhor o Hospital”, justifica o diretor clínico do hospital, em postagem publicada nas redes sociais de vários usuários do HM João XXIII.


 
 
 
Vaccarezza também antecipa na mesma mensagem, que o atendimento será feito em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Mooca “em breve”. E encerra prometendo, como futuro candidato ao parlamento em 2022, que “o Ignácio, nosso Hospital da Mooca, continuará atendendo melhor aos pacientes que precisem de Hospital. Minha ideia é retomar as atividades gerais do Ignácio como um Hospital Geral amigo do Idoso e da gestante”.
 
O anúncio, publicado no “IGNÁCIO EM FOCO”, boletim-mural criado por representantes sindicais de unidade (RSU) do Sindsep, caiu como uma bomba para a comunidade usuária do hospital. Até porque, segundo trabalhadores da unidade, Cândido Vaccarezza vem repetindo em reuniões, desde o início do ano, que sua pretensão é transformar a unidade hospitalar em Hospital do Idoso (restrito a pacientes via regulação) e referência para pequenas cirurgias. Com isso, fecharia as portas do HM Ignácio Proença de Gouveia para o atendimento de urgências e emergências.


 
 
Revoltada, a comunidade usuária do HM João XXIII foi às redes sociais denunciar. A maioria teme que, após a estabilização da pandemia de Covid 19, não ter mais acesso ao hospital, AMA e PS. Muitos moradores postaram vídeos, em frente ao hospital, alertando que não permitirão que os 200 mil habitantes da Subprefeitura Mooca percam o único hospital público na região. 
 
Para os trabalhadores do Hospital Municipal Ignácio Proença de Gouveia a preocupação é redobrada pelo processo de terceirização em franco avanço pela Prefeitura de São Paulo, no serviço de saúde. A unidade já tem a presença da organização social SAS-SECONCI, iniciada pela assistência (2º e 3º andares), avançando pelo PS, térreo, Farmácia privativa e outros setores, junto com servidores públicos.

De acordo com Alexandre Giannecchini, coordenador da Região Leste III do Sindsep, um ato está sendo organizado para os próximos dias, por trabalhadores e movimento de saúde.