Saúde

17 de Janeiro de 2020 - 11:01

Gestão Covas volta atrás em decisão de revistar servidores do Tide Setúbal

Diretores do Sindsep estiveram na reunião do Conselho Gestor do Hospital Municipal Tide Setúbal, zona Leste, na última quarta-feira (15) para debater um memorando em papel timbrado da Secretaria Municipal de Saúde e Autarquia Hospitalar Municipal, da gestão de Bruno Covas (PSDB) que foi distribuído pelo diretor técnico da unidade hospitalar, Carlos Alberto Velucci.

 

O documento datado de 10 de janeiro, assinado pelo diretor-técnico do Tide Setúbal, Carlos Alberto Velucci, informava que a partir de 1º de fevereiro servidores seriam revistados. “Conforme os eventuais casos de furtos nesse nosocômio [hospital], informamos que a partir do dia 1º de fevereiro será obrigatória a revista pessoal no final do expediente. A revista será feita em bolsas, sacolas, mochilas e malas”, alertava um dos trechos do memorando.

 

Os servidores ficaram revoltados com o comunicado da direção do hospital, colocando a “impossibilidade de proteção do patrimônio “que por ser público se enquadra no crime de Peculato, disposto no art. 312 do Código Penal Brasileiro – Decreto Lei 2848/40, aplicando-se a pena de reclusão e multa”.

 

“Pode isso, uma empresa terceirizada [que presta segurança no Tide Setúbal] fazer revista em servidor público? E esse texto constrangendo todos funcionários da unidade? Esse artigo citado [Código Penal] é para ser aplicado individualmente, diante de fragrante, após processo administrativo; ou estou errada”, questionou uma das servidoras.

 

Alguns servidores também repudiaram a forma constrangedora e defenderam que se houve furtos deveria ser aberta sindicância administrativa para apuração.

 

Diante da repercussão do comunicado e do questionamento da direção do Sindsep, representada pela secretaria de assuntos Jurídico, Econômico e Pesquisa, Maria de Lourdes da Rocha Alves, e pelo coordenador da Região Leste 1, Charles Monteiro de Jesus, o assunto foi levado à mesa de negociação da Secretaria Municipal de Saúde e durante a reunião do Conselho Gestor do hospital, o superintendente da Autarquia Hospitalar Municipal e o titular da pasta, Edson Aparecido dos Santos, ligaram para o diretor técnico do Hospital Tide Setúbal e revogaram a decisão.

 

De acordo com um dos conselheiros presentes à reunião, Velucci pediu demissão do cargo por telefone. Um servidor do hospital, que prefere não se identificar, informou que na quinta-feira (16) o diretor técnico e o secretário de Saúde já haviam se entendido e ele permanece na direção técnica da unidade hospital.

 

Em nota encaminhada aos veículos de imprensa, a SMS não detalhou quais foram os equipamentos subtraídos do hospital e que a decisão do diretor do hospital "foi tomada sem o conhecimento da pasta e da Superintendência da Autarquia Municipal Hospitalar”.

 

Fachada do hospital em São Miguel Paulista, zona Leste. | FOTO: Reprodução Internet