Saúde

05 de Abril de 2019 - 20:04

Governo não apresenta proposta para os trabalhadores do SAMU

Nova assembleia será realizada antes da paralisação

Diante da decisão de paralisação dos trabalhadores do SAMU por 48 horas e do pedido do Sindsep por uma audiência para discutir a pauta do movimento grevista, o governo chamou o sindicato para o diálogo. O Sindsep levou uma comissão de trabalhadores do SAMU para a reunião com o governo na Sede Administrativa do SAMU, na tarde desta sexta-feira, 5 de abril. No entanto, a proposta não era de negociação. A reunião contou ainda com a participação do Sindicato dos Médicos, do Sindicato dos Enfermeiros, COREN e alguns parlamentares. Enquanto isso os trabalhadores  do SAMU manifestavam na porta.
 
 
Na reunião o Sr. Takano, diretor do SAMU,  ele apresentou novamente o projeto de reestruturação e dados sobre o SAMU que não explicam bases científicas que justifiquem a proposta de descentralização. Após sua apresentação e debate, o Sindsep também  apresentou no projetor os dados reais e as fotos das péssimas  condições de trabalho às quais os trabalhadores  do SAMU estão sendo submetidos na descentralização. 
 
 
O secretário chegou a apresentar uma proposta de uma comissão permanente com sindicatos e Câmara para visitar as unidades onde ocorreram as denúncias levantadas pelo Sindsep. O presidente do Sindicato, Sergio antiqueira, afirmou ao secretário que  a proposta não atendia à pauta dos trabalhadores e questionou a disposição do governo em negociar. Foi aceita pelo secretário a proposta de uma mesa de negociação específica para atender o movimento grevista do SAMU na segunda feira, 8 de abril, às 9 horas na Secretaria Municipal de Saúde. 
 
 
Encerrada a reunião, foi realizada a assembleia com os trabalhadores que estavam aguardando em frente a Sede Administrativa do SAMU. Foi aprovada a realização de uma reunião do Comando de Paralisação, neste sábado, às 14 horas, na Rua da Quitanda, 101, para a organização dos trabalhadores que irão participar da mesa na segunda-feira e para a greve dos dias 9 e 10.
 
 
Também foi aprovada uma nova assembleia na segunda-feira, 8 de abril, às 14 horas na Rua da Quintada 101, para que os trabalhadores possam debater as eventuais propostas que o governo apresentará  na mesa de negociação de manhã e os próximos passos da mobilização.