Saúde

16 de Abril de 2020 - 18:04

Hospital do Campo Limpo superlotado e inauguração de tenda para casos de covid-19 atrasada há 15 dias

Conselheiros de Saúde estiveram essa semana no Hospital Municipal de Campo Limpo, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campo Limpo, gerenciada pela Organização Social de Saúde (OSS) Albert Einstein, e na tenda prevista para ser entregue em 1º de abril. O objetivo era saber como estava a situação do atendimento, em meio à pandemia do coronavírus. 
 
Enquanto o Hospital Municipal do Campo Limpo estava lotado, a tenda anunciada, pela Prefeitura de São Paulo, para receber pacientes suspeitos de covid-19 -- que deveriam ser encaminhados para a observação na UPA Campo Limpo ou internação no Hospital do M´Boi Mirim -- não tinha nem mobiliário. A entrega do serviço está atrasado em 15 dias, informam os conselheiros no vídeo enviado
 
Para completar o quadro de risco, o Hospital do M´Boi Mirim, também sob gestão da OSS Albert Einstein, está com seus leitos destinados ao atendimento somente de casos de covid-19, o que está estrangulando o atendimento do HM Campo Limpo. Trabalhadores reclamam da falta de equipamentos de proteção individual, estrutura e orientação para atender a população da zona Sul e cidades vizinhas.
 
 
Pacientes aguardam para ser atendidos no Hospital do Campo Limpo, sem distanciamento ou proteção.
 
 
Ao chegar no HM Campo Limpo, a sala que deveria ser para a triagem de visitantes estava vazia, qualquer um entra e sai, sem nenhuma medida preventiva. A sala fica ao lado das ambulâncias do Samu, que entram e saem com contaminação. “Hospital totalmente lotado, sem nenhuma prevenção, todo mundo que entra sem máscara. A sala de triagem está vazia, não tem ninguém para orientar visita, funcionário, conselheiros...”, diz a representante do controle social.
 
Os conselheiros cobram do secretário Municipal de Saúde, Edson Aparecido, agilidade para o funcionamento da tenda, a fim de desafogar as aglomerações que estão se formando no Hospital do Campo Limpo. Eles procuraram a direção da UPA e não encontraram. “Queremos a resposta de quando será inaugurada essa tenda, onde foi gasto um absurdo de recurso público, a população e os trabalhadores estão expostos ao risco de adoecimento nessa pandemia”, finalizam.