Saúde

13 de Novembro de 2019 - 19:11

Mobilização dos servidores e população do PS Perus, garante que os trabalhadores possam trabalhar na UPA

O Sindsep participou juntamente com os trabalhadores e usuário do Pronto Socorro Perus, na região Noroeste da cidade, de um ato contra o seu fechamento na manhã desta quarta-feira, 13 de novembro em frente a unidade.  

 

O governo havia anunciado que o PS Perus que atende 14.500 pacientes por mês, há mais de 50 anos seria fechado com a inauguração da Unidade de Pronto Atendimento e os mais de 136 funcionários transferidos. Os mesmos foram informados sobre essa decisão no dia 7 de novembro e que teriam que optar por outro local, sendo a unidade mais próxima a de Pirituba e as demais distantes, em outras regiões da cidade.

 

Os servidores levantaram a possibilidade de manter o PS Perus em funcionamento mesmo com a abertura da UPA, já que o mesmo caso havia acontecido em Pirituba, em que uma Unidade de Pronto Atendimento foi aberta e o Hospital mantido. O governo não aceitou e os servidores juntamente com a população organizaram o ato.

 

A união da população e dos servidores, fez com que a Secretaria de Saúde, Autarquia Hospital e Coordenaria Norte se manifestassem. Uma reunião foi realizada no dia 11 de novembro com os servidores, onde o governo informou que poderiam ir para a UPA. Além de garantir a todos que no local escolhido será mantido os plantão e funções de cada um.

 

Já no dia 12 de novembro a Coordenadoria de Saúde Norte, juntamente com a Supervisão e conselheiros de Perus, pediram para os servidores cancelarem o ato de hoje, com o argumento de que agora os servidores seriam absorvidos pela UPA e nela mantido os mesmos atendimentos que o PS.

 

No entanto, o Sindsep juntamente com os trabalhadores manteve o ato, que aconteceu hoje, pois entendemos que mesmo abrindo a possibilidade de escolha para trabalhar na UPA temos um compromisso com a população local que nos apoiou.

 

Com a possibilidade de servidores serem aproveitados na UPA haverá uma economia para o município, que não precisará repassar recursos para a Organização Social SPDM, realizar a contratação de funcionários que já atuam no território. Podendo esses recursos serem aproveitados para melhorias em outras unidades. Não podemos esquecer que essa organização social, em agosto deste ano, havia manifestado o desejo de se retirar do território de Perus.

 

Uma vitória para os servidores e população de Perus

 

Os funcionários podem agora optar por permanecer trabalhando junto a sua comunidade e a população pode contar com os servidores que já conhece e confia. Já o prédio do Pronto Socorro, segundo a coordenadoria, acomodará outros serviços já existentes na região e serão melhorados com a realocação.

 

O Sindsep, porém, continua reafirmando sua posição de que serviços de saúde devem ser aumentados e não deixarem de existir ou serem "absorvidos" por outro. Reafirmando também nosso descontentamento com o gerenciamento de equipamentos via Organização Social.