Saúde

24 de Abril de 2019 - 09:04

Prefeitura cede parte das reivindicações dos trabalhadores do SAMU

Trabalhadores/as suspendem greve e decidem continuar luta em defesa do Samu

Os trabalhadores do SAMU no primeiro dia de greve por tempo indeterminado, se reuniram na tarde desta terça-feira, 23 de abril, em assembleia para discutir os próximos passos da mobilização.

 

No encontro a comissão que participou da reunião na tarde desta segunda-feira, 22, com o Ministério Público e representantes do governo que também estava presente, fizeram um relato de como ocorreu e de suas impressões.

 

Trabalhadores saíram em caminhada até a Secretaria Municipal de Saúde, onde uma comissão, composta pelo Sindsep, um condutor, um enfermeiro e um auxiliar de enfermagem, foram recebidos pelo governo.

 

Ao final da reunião os trabalhadores realizaram uma nova assembleia e deliberaram pela suspensão da greve do SAMU mediante a aceitação, por parte do governo, dos seguintes pontos:

 

  •  Garantia de não efetivação de nenhum desconto na folha de pagamento dos trabalhadores/as pelos dias de paralisação e greve;

 

  • Formação de comissão paritária, composta por 4 trabalhadores e 4 suplentes, destinada a realizar a pesquisa nos pontos de assistência do SAMU para apontar falhas e irregularidades na assistência à população, no prazo de 20 dias, com liberação de ponto para os trabalhadores/as da comissão;

 

 Acordo nos seguintes pontos da pauta de reivindicação dos trabalhadores/as do SAMU:

 

  1. O Retorno das equipes aos respectivos plantões de trabalho estabelecidos anteriormente à publicação da Portaria 190/2092-SMS.G:

 

a.) O Sindsep irá repassar um questionário a ser preenchido pelos/as trabalhadores/as insatisfeitos em suas escalas (quem era de plantão par e foi obrigado a ir para plantão ímpar, quem era de plantão noturno e foi passado para plantão diurno). Esse questionário será recebido pela SMS para resolução destes casos;

 

2. Retorno dos plantões de 24 horas para enfermeiros e auxiliares de enfermagem:

 

a.) O governo foi irredutível na volta da jornada de 24 horas para auxiliar de enfermagem, mas aceitou a volta da jornada para enfermeiros;

 

b.) O questionário que o Sindsep irá repassar para os/as trabalhadores/as insatisfeitos em suas escalas será utilizado como instrumento de pressão para o retorno da jornada de 24 horas para os auxiliares, bem como, para ajeitar a situação dos/as enfermeiros/as.

 

3. Não à redução de vagas no SAMU, levada a cabo pela portaria 190/2019-SMS.G;

 

a.) A Secretaria de Saúde se comprometeu a alocar todos/as os/as trabalhadores/as no serviço: nenhum trabalhador sairá do SAMU;

 

b.) O questionário que o Sindsep irá repassar para os/as trabalhadores/as insatisfeitos em suas escalas será utilizado como instrumento de pressão para a boa alocação dos/as trabalhadores/as “sem vaga”;

 

4. Retorno das viaturas de Suporte Intermediário de Vida - SIV, com auxiliar, enfermeiro e condutor, bem como, com os equipamentos e materiais adequados;

 

a.) A Secretaria de Saúde disse que se “empenhará para que os SIVs possam ser configurados em todas as bases”;

 

b.) O questionário que o Sindsep irá repassar para os/as trabalhadores/as insatisfeitos em suas escalas será utilizado como instrumento de pressão para a recomposição dos SIVs como o eram antes da portaria 190/2019;

 

5. Retorno do Núcleos de Educação em Urgências de modo centralizado e não diluído nas Coordenadorias Regionais de Saúde;

 

a.) A Secretaria de Saúde concorda em discutir a disposição dos/as enfermeiros/as do Núcleo de Educação em Urgência - NEU;

 

6. Fim da operação delegada no SAMU de São Paulo;

 

7. Volta dos plantões extras para todas as categorias que compõem as equipes do SAMU;

 

a.) A Secretaria de Saúde concorda em diminuir o uso da função delegada e aumentar o uso de condutores do SAMU em plantões extras;

 

b.) A reivindicação de recomposição do valor do plantão extra para os condutores dependerá da continuidade da força de nosso movimento.

 

 Continuidade da negociação entre trabalhadores/as, sindicatos e Prefeitura Municipal de São Paulo (Secretaria Municipal de Saúde) em relação aos seguintes pontos de reivindicação:

 

8. Suspensão do processo de descentralização de equipes assistenciais deflagrado pela Portaria 190/2019-SMS.G;

 

9. Retorno das equipes às respectivas bases modulares desativadas ao longo do processo de descentralização de equipes assistenciais deflagrado pela Portaria 190/2019-SMS.G;

 

10. Cancelamento do espelhamento de ambulâncias;

 

11. Viaturas de Suporte Básico de Vida (SBV) com 1 condutor e 2 auxiliares de enfermagem;

 

12. Abertura de concurso público para todos os cargos que compõem o SAMU;

 

Passados os 20 dias, os trabalhadores/as irão fazer a avaliação dos resultados dos trabalhos da comissão de visitas e a análise das medidas tomadas pela Secretaria Municipal de Saúde para rever as ações da desestruturação implantadas pela Portaria 190 e decidir sobre a continuidade das mobilizações e retomada das paralisações.

 

INFORMAÇÔES COMPLEMENTARES

 

  • Será elaborado os pontos de reivindicação dos trabalhadores/as das Unidade Rápida de Atendimento com Motocicleta - URAMs

 

  • O Ministério Público do Trabalho - MPT aceitou nossa representação e o resultado das pesquisas da comissão nos pontos de assistência serão utilizados em tal processo. A reunião com MPT será no dia 3 de maio

 

 

O SAMU salva vidas! Vamos salvar o SAMU!