Saúde

23 de Abril de 2020 - 14:04

Profissionais homenageiam enfermeira Maria Santos, vítima do covid-19, e cobram proteção em ato no Hospital Municipal de Pirituba

Trabalhadoras e trabalhadores do Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, zona Oeste, pararam por 30 minutos na manhã desta quinta (23), em ato pela vida e proteção dos profissionais de saúde para o atendimento à pandemia do novo coronavirus. 
 
 
 
Por Cecília Figueiredo, do Sindsep-SP
 
 
“Estamos aqui no Hospital José Soares Hungria para homenagear os trabalhadores que partiram no enfrentamento à pandemia do covid-19, e, em particular, à enfermeira Maria Santos, que trabalhava aqui e no Hospital Estadual do Mandaqui, em Santana, zona Norte, e morreu em março. Nosso ato é também um grito de socorro para que os profissionais de saúde tenham EPI de qualidade e em quantidade suficiente”, esclareceu João Gabriel Buonavita, vice-presidente do Sindsep, ao iniciar o ato realizado na manhã desta quinta (23), na entrada do Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, que reuniu aproximadamente 30 profissionais da unidade. 
 
 
Ato realizado na entrada do Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba.| Foto: CF. 
 
 
A manifestação, organizada pelo Sindsep e trabalhadores da unidade hospitalar, foi uma despedida simbólica dos colegas e amigos da enfermeira Maria Santos, mas reforçou a cobrança ao governo Bruno Covas por equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde dos serviços municipais da Cidade de São Paulo, insumos, estrutura e treinamento adequados às recomendações da Organização Mundial de Saúde. 
 
“É preciso que esses equipamentos cheguem agora, para evitar outras mortes o colapso do sistema de saúde. Não adianta ter hospital de campanha e respiradores, se não tiver o profissional que esteja manejando o equipamento, atendendo, acolhendo a população que chega para ser atendida. A luta dos profissionais do Hospital de Pirituba se soma à luta de todos os profissionais de Saúde, Assistência Social, Segurança Urbana e Serviço Funerário da cidade e do país. É em favor de quem está na linha de frente da pandemia tenha condições de trabalho, seja valorizado e respeitado, para que não continuemos fazendo despedidas como essa”, enfatizou o vice-presidente do Sindsep.
 
 
"É em favor de quem está na linha de frente da pandemia, por condições de trabalho, para que não continuemos fazendo despedidas como essa”, enfatizou João Gabriel, vice-presidente do Sindsep.
 
 
O dirigente criticou durante o ato, na manhã desta quinta (23), as manifestações do prefeito Bruno Covas falando na compra de milhões de equipamentos de proteção individual, que não chegam e quando chegam é em quantidade inferior ao necessário. “Estamos aqui para um momento triste, para homenagear uma colega que perdeu a vida, assim como outros profissionais que estão perdendo a vida para o covid-19. Mas esse é um momento também de basta! Estamos aqui para reafirmar que não iremos mais aceitar perder a vida, nem perder mais colegas. A gente quer viver, queremos proteção, porque os equipamentos de proteção individual estão sendo entregues de forma racionada e sem a qualidade que deveria ter para o enfrentamento da pandemia”, acrescentou a coordenadora da Região Noroeste do Sindsep, Lucianne Tahan.
 
 
"Basta! Não iremos mais aceitar perder a vida, nem perder mais colegas", frisou Lucianne Tahan.
 
 
Valdomiro Marques, membro da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) e Representante Sindical de Unidade (RSU) no Hospital de Pirituba, Valdomiro Marques lembrou na homenagem de outra colega falecida essa semana, Vera Lúcia Gomes, que trabalhou na Unidade Básica de Saúde (UBS) Jardim Ipanema e na Subprefeitura de Perus. Lucianne Tahan frisou ainda, antes de realizarem um minuto de silêncio, que o novo coranvirus não está selecionando o tipo de profissional, “por isso é necessário EPIs a todos”.
 
Num protesto com cruzes de madeira cercando a saída do acesso do Hospital de Pirituba, cada profissional depositou um botão de rosa numa floreira em homenagem a Maria Santos. A homenagem foi acompanhada também pela dirigente do Sindsep, Solange Cristina Ribeiro (Finanças) e os coordenadores de Região, Charles Monteiro de Jesus (Leste I) e Ejivaldo do Espirito Santo (Leste II).
 
 
 
Os profissionais gritaram “presente!” a Maria Santos e Vera Lúcia Gomes, e bateram palmas às profissionais que perderam a vida para a pandemia, devido à falta de proteção adequada. “Vamos continuar lutando para que tenhamos respeito e valorização para trabalhar na saúde de São Paulo”, disse Marques.