Saúde

22 de Janeiro de 2020 - 12:01

Saúde dos servidores e servidoras não está à venda

Em tempos de desmonte do serviço público, o primeiro sinal é o adoecimento dos trabalhadores e trabalhadoras.

 

 

Sobrecarregados e com equipamentos e ambientes de trabalho ultrapassados e inadequados, os servidores da prefeitura precisam utilizar de seu corpo e mente para atender às demandas que cada vez mais se ampliam, frente ao número de trabalhadores cada dia menor. Não à toa, as principais causas de afastamento dos servidores públicos são por problemas psicológicos e distúrbios osteomusculares.

 

Enquanto o adoecimento dos trabalhadores cresce, frequentemente mascarado por um presenteísmo – opção de seguir trabalhando mesmo sem condições –, a prefeitura tem endurecido as regras para concessão de benefícios periciais.

 

Há, por exemplo, aumento significativo de processos administrativos de demissão por faltas, em decorrência de licenças médicas de longa duração negadas, especialmente de trabalhadores e trabalhadoras readaptados/as.

 

Sem contar que o próprio órgão responsável pelas perícias médicas, a Coordenação de Gestão de Saúde do Servidor (Cogess), passa por severo processo de sucateamento, com redução drástica do número de médicos peritos, trabalho nos finais de semana, grande desgaste físico e mental de seus profissionais e maior tempo de espera dos servidores para realização das perícias.

 

O Sindsep está atento aos desmontes promovidos pela gestão Covas e em luta contra a intensificação das violências, assédios e precarizações.

 

Denuncie os desmontes na sua unidade! A sua voz faz a diferença!

 

Arte: Ebbios

 

 

Confira outras matérias da edição de janeiro, clicando no hiperlink Jornal do Sindsep versão digital.