Saúde

10 de Junho de 2020 - 14:06

Sem protocolo da gestão e testagem, UVIS M´Boi Mirim já acumula mais de uma dezena de casos de Covid

Onze trabalhadores da Unidade de Vigilância em Saúde (UVIS) M´Boi Mirim, na zona Sul, estão com Covid-19, um dos quais internado na UTI, outros dois aguardam resultados do exame e três que estão afastados em virtude de familiar ter se contaminado pelo novo coronavírus.

A falta de testagem para profissionais que trabalham em áreas essenciais, após mais de dez dias da Prefeitura de São Paulo ter se comprometido em reunião de Mesa Técnica com o Sindsep a garantir o exame para 90 mil profissionais de saúde, segue como obra de ficção.

 

Nem mesmo o surto de casos num mesmo serviço de saúde motiva a gestão municipal a acelerar o processo de cuidados com os trabalhadores da saúde. Mostra de que não passa de slogan de campanha e marketing as promessas, 11 trabalhadores da Unidade de Vigilância em Saúde (UVIS) M´Boi Mirim, na zona Sul, estão com Covid-19, um dos quais na UTI, outros dois aguardam resultados do exame e mais três estão afastados em virtude de familiar ter se contaminado pelo novo coronavírus. 

 

A unidade, que funciona em local insalubre, sem acessibilidade, quantidade insuficiente de banheiros e de vestiários pequenos e que servem de refeitório, possui em torno de 130 profissionais de saúde trabalhando no controle de doenças na região Sul da cidade de São Paulo. “Os agentes estão adoecendo, não há testagem para todos e o profissional que é testado por ser sintomático fica sem saber o que vai acontecer, porque a Prefeitura de São Paulo não tem ainda um protocolo elaborado”, diz Laudiceia Reis, agente de endemias da UVIS M´Boi Mirim e diretora do Sindsep.

 

Em contato com a Supervisão da UVIS M´Boi Mirim, a dirigente foi informada que chegaram apenas 60 testes rápidos na unidade. “Começaram a testar na manhã de terça (9) e pararam à tarde, por uma nova orientação da gestão. Não há protocolo da gestão, esta é a realidade”, acredita Laudiceia.

 

Após quase três meses de pandemia, não há um protocolo da gestão municipal para lidar com os casos positivos e somente estão testando os sintomáticos, no entanto os assintomáticos podem estar transmitindo a doença sem saber. 

 

O Sindsep continuará acompanhando a ação paralisada nesta terça que, segundo a supervisão, tratava-se apenas de um treinamento de profissionais que farão a coleta de testes.