Saúde

29 de Julho de 2022 - 16:07

Sindsep mobiliza CCZ para luta unificada por valorização dos trabalhadores da saúde

Por Cecília Figueiredo, do Sindsep

 

 

As dirigentes do Sindsep, Flávia Anunciação (secretária de Trabalhadores/as da Saúde), Lucianne Tahan (Formação), Laudiceia Reis (Mulher Trabalhadora) e Sheila Costa (coordenadora da Região Norte), junto com servidores de outras UVIS, como Ermelino Matarazzo, estiveram nesta sexta (29/07), com as trabalhadoras e trabalhadores do Centro de Controle de Zoonoses (DVZ) mobilizando para o ato unificado em frente à Secretaria Municipal de Saúde, onde irão cobrar respostas sobre a valorização de seus salários e carreiras.

 

Lucianne Tahan lembrou que são seis anos sem reajuste para os Agentes de Endemias e as tabelas apresentadas para a Saúde pelo governo propõe de valorização R$ 30 para um profissional da Enfermagem, que enfrentou a pandemia. A dirigente referia-se ao Projeto de Lei (PL) 428/2022, que será discutido na Câmara de Vereadores, em 2 de agosto, durante audiência pública, e o Sindsep está chamando todos os servidores/as à paralisação e participação nesse dia. "Agora é o momento de ter reajuste, de ir lá buscar", reforçou.

 
“Hoje um médico, no final de carreira, terá 10 reais de reajuste salarial. É dessa proposta que estamos falando, que o prefeito apresenta aos profissionais da Saúde. Uma proposta indigna, que não reconhece aqueles que foram chamados de heróis da saúde. Nós não somos heróis, pagamos contas, temos que comprar alimentos, pagar aluguel. O único que teve valorização foi o salário do prefeito reajustado em 46%”, acrescentou Flávia Anunciação, secretária de Trabalhadores/as da Saúde.
 
Sheila Costa também alertou que o momento é de mobilização já que os ataques são sucessivos e sem descanso por parte do governo. “Na terça passada perdemos o Serviço Funerário Municipal. Esse governo está desmontando todos os serviços da Prefeitura, então pra desmontar nossos serviços não custa. É fundamental, temos que nos manifestar”.
 
Laudiceia Reis reforçou o chamado dos mais de 300 servidores que trabalham no CCZ pra somar-se à luta nas mobilizações dos próximos dias e o que está em risco. “Estamos vivendo o mesmo momento de 2014, ideal para buscar a valorização de nossa carreira. Há dinheiro em conta, porque além do repasse ao Fundo Nacional de Saúde, há R$ 32 bilhões no caixa da prefeitura, que não foi usado. Ainda estamos vivendo uma situação de pandemia e esse recurso do Fundo não pode ficar parado na conta do Município. E se nós não gritarmos por nossa valorização, será destinado para as organizações sociais”.
 
Rogério, agente de endemias do CCZ, fez coro com as dirigentes: "vamos participar, porque é um momento único e se não houver essa mobilização a gente pode ficar pra trás".