Saúde

01 de Agosto de 2022 - 15:08

Trabalhadoras(es) da Saúde realizam ato na porta da SMS e arrancam reunião

Com apoio do Sindsep, ao lado de entidades representativas, as trabalhadoras e trabalhadores da Saúde, com boa presença dos Agentes de Endemias, retornaram à porta da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) cobrar valorização, melhores condições de trabalho e respeito aos Pisos Nacionais (tanto para agentes, quanto profissionais da enfermagem), que foram aprovados no Congresso Nacional recentemente, mas não foram implementados no PL 428/22. Inclusive, as carreiras da Saúde, são as com piores tabelas, sobretudo para as categorias que recebem menos. Graças à mobilização, uma comissão representando aos trabalhadores foi recebida em reunião pela Secretaria. Ao final do ato, os manifestantes partiram em caminhada à sede do Sindsep, com uma parada em frente ao Gabinete do Prefeito, para discutir os pontos da reunião.

Laudiceia Reis, secretária de Atenção a Mulher Trabalhadora do Sindsep e agente de endemias, abriu o ato cobrando da Prefeitura o justo pagamento e aplicação do Piso salarial. “A gente quer o dinheiro do Piso, não vamos aceitar que a Prefeitura pegue esse dinheiro, que é dos servidores, e dê nas mãos das Organizações Sociais. Se o Prefeito não pagar, vamos pra cima. O Prefeito vai responder por improbidade administrativa,” cobrou, a diretora.

A vice-presidenta do Sindsep, Luba Melo, falou sobre a defesa dos serviços públicos. “Nós trabalhadores e trabalhadoras temos um lado: o da população. O governo quer que os servidores desistam dos serviços públicos, mas nós não vamos desistir, porque a população lá na ponta depende de nós.” E, continuou, “exigimos só o que é direito, o direito a um salário digno.”

A servidora Vera, da UVIS Itaim Paulista, denunciou a falta de segurança dos agentes e falou, também, da importância dos serviços prestados. Segunda ela, “os nossos funcionários estão indo, para cumprir ordens e seus serviços, e estão sendo assaltados, perdendo seus bens.” É inadmissível ser obrigado a trabalhar com tamanha insegurança e ainda ver a desvalorização de seus salários dia após dia.


Trabalhadores retornaram à porta da SMS pra lutar por valorização.
Foto: Cecilia Figueiredo/Sindsep

Alonir “Viola”, trabalhador de endemias e coordenador da região Sul II do Sindsep, cobrou valorização dos servidores, afirmando que o PL 428/22 acaba com as progressões nas carreiras da Saúde. “Nós precisamos de melhoria das tabelas para o pessoal da saúde, a questão das progressões vai paralisar as carreiras dos agentes.” E, ainda, fez um apelo, “senhor secretário: atenda às demandas dos agentes de endemias e demais trabalhadores da saúde!” Já Ejivaldo Espírito Santo, secretário de Saúde do Trabalhador, afirmou que o Prefeito apresentou o Projeto sem consultar a categoria. “Tomamos prejuízo, este PL traz uma grande desvalorização na Saúde. Não aceitamos este projeto na forma como está.”

Quando a comissão que foi recebida pela SMS desceu, o ato partiu em caminhada até a sede do Sindsep, onde se reuniram em Assembleia. No caminho, pararam em frente ao Gabinete do Prefeito. Durante a caminhada, Lourdes Estevão, secretária de Políticas Sociais do Sindsep, afirmou “nos obrigam a sair na rua para pedir condições adequadas e salários dignos”, mesmo os trabalhadores e trabalhadoras da Saúde estando na linha de frente da pandemia, não há nenhuma valorização por parte da Prefeitura.

Estes trabalhadores da linha de frente estão há 6 anos sem reposição da inflação, sendo que o próprio prefeito ajustou seu salário em 46%, por conta da inflação. São mais de 15 mil reais de aumento, o que daria para contratar 8 agentes novos. Segundo João Gabriel Buonavita, presidente do Sindsep, “depois de 6 anos, 8% de aumento [para trabalhadores da Saúde], chega a ser um desrespeito. Com o agravante de estar em uma cidade em que tudo aumenta, não tem como viver. A proposta apresentada não nos interessa,” afirmou João Gabriel.


Assembleia ocorreu na Sede do Sindsep. Foto: Cecilia Figueiredo/Sindsep

Ao final, os trabalhadores e trabalhadoras presentes, se reuniram em Assembleia no Sindsep para debater o que foi discutido na reunião com a SMS e definir os próximos passos de luta. Por unanimidade, a Assembleia decidiu pela manutenção da paralisação e pressão total sobre os vereadores, buscando melhorias e valorização real no PL 428/22.

E, amanhã, terça-feira, 02.08, às 10 horas: todos e todas na porta da Câmara Municipal, dia de paralisação e Ato. Vamos pressionar aos vereadores e vereadoras por valorização para o funcionalismo público, contra o confisco de nossas aposentadorias, contra a extinção de cargos e carreiras e por mais concursos públicos!